Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Marquesa de Marvila

Aqui não se aprende nada... Lêem-se coisas escritas por mim, parvoíces na maioria das vezes mas sempre, sempre verdades absolutas (pelo menos para mim).

Fui convidada para ir à TV...

Vocês nem sabem o que aconteceu durante o confinamento, catano!!... 

Atão não é que fui contactada por uma jornalista da televisão, sim leram bem!, para ir botar discurso...

- Onde? Onde?!!... - perguntam vocês em ânsias!...

- Têm de se acalmar que isso dos nervos faz-vos mal ao coração!... Vocês não se finem, óviram? Eu quero-vos aqui com saúdinha!...

Ao Programa da Manhã com  Manuel Luís Goucha!...  

Vá, abram alas para Vossa Marquesa passar, toquem as trompetes, lancem os confettis e enviem os vossos presentes (caros e jeitosinhos) cá para o palácio!... Eu aceito! À falta de melhor enviem umas garrafas de vinho (do bom que eu não consumo cá zurrapas a saber a vinagre, bale?) que é para fazermos um brinde! 

- Atão, mas nós não vimos a nossa Marquesa favorita na TV e jamais perdemos um programa do Goucha!

- Pois não viram porque eu não fui, catano! Querem lá ver agora que eu ia perder o meu anonimato e depois ter-vos à perna por cada esquina que passasse?... esqueçam! Isto era meio caminho andado para ter de ir comentar o Big Brother e eu sou pessoa sem pachorra para aquilo!... corria logo a malta toda à chapada para se porem na ordem e depois era capaz de ir presa... o que seria uma maçada! 

Pois que agradeci, eu quando quero sou extremamente educada, e declinei. Não quero mesmo perder o anonimato, principalmente porque este blog não me sustenta!... se sustentasse aí sim, queria lá saber do anonimato! Ainda a senhora jornalista não teria acabado de fazer o convite e já eu estava lá ao lado dela pronta para a maquilhagem e cabelos!... Acho que teria sido giro botar discurso sobre este blog! Olha, fica para quando este modesto palácio me pagar as continhas!

Eu sei que vocês teriam gostado de me conhecer, afinal não é todos os dias que se vislumbra tamanha beleza, ainda por cima beleza aristocrática, não é?... Aguentem-se! Fica para a próxima! Comecem masé a partilhar o vosso blog favorito (como qual?!?!... raisparta que já minervaram!) pela família, amigos, inimigos, família dojotros e depois, quando alguém se chegar à frente para patrocínios, para me pagar pelas minhas belas palavras, então eu vou ao programa do Goucha!... ou da Dona Tininha! Big Brother é que não que eu não quero ir presa, bale?

E a vossa quarentena, foi animada? 

Mudar de vida!

Estamos em épocas de recomeços, de repensar, de ver e viver a vida de outra forma... muita coisa mudou desde Março deste ano, as rotinas alteraram-se, a sociedade modificou-se e nós tivemos de nos adaptar!

A Aspirante Mai'Nova também! Para além de todas as adaptações que, tal como nós, teve de fazer ainda se está a adaptar a 2 novas realidades. Não pára de me surpreender esta aspirante mai'linda de sua mãezinha!... (a outra também mas como não quer que eu fale dela aqui... azarucho! Também não recebe elogios públicos sobre o quanto é linda, inteligente e talentosa!).

- Atão mas conta lá, oh Marquesa, que nós já estamos em pulgas!!!

- Sois uns queridos, masé!

Finda a quarentena, as aulas síncronas, as notas e o camandro, já na posse dos resultados escolares a miúda lembra-se que quer mudar de escola e ir para um curso diferente daquele que andava a falar há canos... Corajosa como só ela, lá foi! Inscrevemo-la numa escola nova, já foi à apresentação e já fez uma data de amigos. Nada que nos espante que a miúda tem costela de relações públicas. Tudo isto não sem sentir uma nostalgiazinha... era feliz na outra escola e tem lá os amigos todos... mas lá não havia o curso que quer.

Mas o final da quarentena não trouxe só isto à nossa Aspirante Mai'Nova... para surpresa de todos, e quando digo todos falo do mundo em geral, a nossa ginasta preferida resolveu desistir da ginástica!... não houve quem não se indignasse, quem não questionasse, quem não achasse que era o fim do mundo!... não foi, amigos, não foi! O mundo continuou a girar, o sol a nascer todos os dias e a Covid a pairar por aí... tudo na mesma!

Mas afinal o que é que se passou, perguntam vocês?... e perguntei eu, já calculando a resposta e já adivinhando que a época acabaria assim. A nossa aspirante passou mais tempo de vida com ginástica do que sem a ginástica... tem 14 anos, 8 de ginástica e 7 na competição. E agora desistiu! Vocês sabem que ela teve uma época muito difícil, tal como já vos havia contado, a juntar a vinda do confinamento, altura em que treinou a partir de casa, em vídeo-chamada, 3 horas por dia, e fê-lo até ao fim, só desistiu mesmo no final da época, foi um acumular de situações complicadas que a deitaram abaixo.

Ficou um misto de orgulho, pela tomada de decisão dela, de vazio, e agora como vai ser a vida dela, de preocupação, muito tempo livre no que pode dar, e tristeza... ela sempre foi tão feliz na ginástica... não merecia ter terminado assim!

Eu nunca fui ginasta, nem atleta, o que seria!... Marquesa atleta! Ahahahahhahahahah!!!! Teria de tirar o rabo do sofá e isso cansa muitíssimo! Mas sempre vi as conquistas dela, as competências fantásticas que adquiriu, as amizades sólidas e importantes que fez, os amigos que vão ficar para toda a vida, sem dúvida... e agora como vai ser? Diz quem foi ginasta que podes sair da ginástica mas a ginástica nunca sai de ti!

Enquanto andámos a avaliar soluções, ela saiu com uma única condição, escolher outro desporto (mesmo que não fosse de competição) mas não estava fácil... nada lhe agradava assim tanto! Mas dizia eu, enquanto avaliávamos soluções ela foi despedir-se dos colegas e treinadores e recebe a melhor das notícias... os treinadores resolveram criar uma classe de representação com os atletas que escolheram sair da competição. É uma classe onde só se entra por convite, tem de se ter um nível elevado de ginástica, e ela é imediatamente convidada para fazer parte da classe. A resposta? A resposta foi um sim com um sorriso de orelha a orelha! Estava resolvido o dilema! Continua a fazer o que gosta, menos tempo de treino, sem a pressão da competição, com os mesmos treinadores, com colegas que conhece bem e, a cereja no topo do bolo, vão continuar a competir, de forma diferente pois é competição de toda a classe, em festivais e concursos e vai ser uma festa! E aquilo que parecia um adeus transformou-se num até já.

Não posso deixar de me surpreender quando ela resolve tomar as rédeas da sua vida, tomar decisões ponderadas e pensadas mas que a tiram da sua zona de conforto... e é aqui que se é feliz, fora da nossa zona de conforto!

Amo-te, Aspirante! Continua assim, sempre!

Mandei encerar as escadarias!

A Vossa Marquesa preferida... - Não me perguntem "quem"... não minervem, caneco!

Dizia eu, a Vossa Marquesa preferida resolveu ir passar uns dias à propriedade rural... casa senhorial, apalaçada, lá para os lados da aldeia mai'linda!... toca de falar com a criadage para que abram as janelas, arejem as carpetes, sacudam os reposteiros (as poeiras e os ácaros são uma chatice, catano!), areiem as pratas, passem cera no chão de madeira e nas nobres escadarias do mesmo material... enfim, maçadas de nobreza!... e lá foi, linda e lampeira, com as suas Aspirantes Mai'Lindas, o seu Marquês e sua Diaba, passar uns dias a "brincar à plebe"!

Um calor do caneco, mas não me queixo que calor nunca é demais, não me lixem!... mas fica sempre bem dizer e fingir que reclamo do mesmo!... seilá, as pessoas ficam felizes quando nos ouvem a reclamar do tempo! E eu lá, ora estendida, ora deitada, ora a passear a minha real bunda pela aldeia... 

Certo dia a "coisa" dá-se!... Vossa Marquesa, logo pela fresca, desce as escadarias enceradas do palacete rural, escorrega-se-lhe o pé direito, atira-se para trás, que Marquesa que é marquesa não rebola, o que seria!, e vai deitada e linda a bater com o real cóccix em todas os malditos degraus, raisparta!!!! Solta um elegante e airoso "Ai!", fica sentada a dois degraus do fim da escada (achavam o quê? Que uma Marquesa se estatela no meio do chão, não?!?... era o que faltava!), e nem dois segundos se haviam (pode estar no plural porque está a ser usado como verbo auxiliar!... de nada, meus amores!) passado e já as Aspirantes Mai' Lindas surgiam aflitas com a hipótese de tamanha desgraça que seria terem de ir com sua mãezinha para o hospital e assim perderem um dia de piscina, passeios com os amigos e total galhofa!... Marquês surge no final da outra escadaria (palacete rural que é palacete rural não tem 1, nem 2, mas sim, pelo menos, 3 escadarias) e pergunta: - Está tudo bem? Precisam de mim? - e a vozinha na sua cabeça a dizer, digam que não, digam que não! Quando Aspirante Mai'Nova diz:

- A mãe caiu das escadas! (raisparta a miúda!!! Encarna a plebe quando está na aldeia e deixa de chamar as coisas pelo nome: Escadaria, rapariga!!!! Os palacetes não têm escadas!!!)

Marquês a custo, exaurido (palavra gira! Vão ver ao dicionário que eu também fui! Ou pensam que escrever para vós é fácil?... há todo um estudo profundo sobre o tema!... que eu quero-vos bem instruídos!), lá sobe os degraus, espreita e diz:

- Estás bem?

- Estou óptima! Então não haveria de estar, catano! Não me vês, aqui linda e fofa neste spot maravilhoso que são os últimos degraus da escadaria, mesmo à porta da casa de banho, a descansar, de pijama vestido?... (Tradução: Dói-me o cóccix comó raio, doem-me as costas, estou a tremer cus nervos, e dói-me tudo, raisparta!!!)

- Hummmm.... talvez seja melhor ir buscar gelo!!!

- É melhor, é!

E assim se destrói toda e qualquer dignidade de uma Marquesa que passa a fazer figuras de plebe trabalhadora e desgastada pelos anos e vida de duro trabalho, ao necessitar de, pelo menos, 3 minutos e meio para se levantar de uma cadeira, enquanto emite elegantes "Ais" e rosna "fod***%&-se"... e ainda tem de ouvir o Senhor Marquês a dizer com escárnio: É melhor irmos ao hospital!

Já se passaram 5 dias, já regressei ao meu palácio, que pelo menos tem elevador, e ainda me dói o cóccix! Mas estou melhor, sosseguem!

E vocês, já foram de férias?... não mandem encerar as escadarias, pelamordasanta!

Mas que merda de mundo é este?

Eu sei que vocês, como sempre, andam com saudades minhas, que vêm aqui todos os dias espreitar para ver se Vossa Marquesa favorita está bem de saúdinha e viva. Pois que sim, está! Bem de saúdinha e vivinha da silva!... mas com imensos afazeres, sabem lá a minha vida, caneco!

Ando com um projecto novo em mãos e entre este, fazer almoços e jantares (vida de pobre é uma tristeza, catano!), ver séries e estar confinada, o tempo que sobra para vir aqui fica reduzido!... é que esta cena de estar resguardada em casa faz com que se me reduza o assunto para debitar aqui!... é certo que o tio Trump trata de nos manter activos ao nível do assunto... mas o asco que se me provoca tal criatura, a vontade de regurgitar que tenho quando se me deparo com a merda (Sim, é uma palavra com 5 letras! E é assim que se escreve!) que sai daquela cabeça retira-me toda e qualquer vontade de debitar assunto!... basicamente, tudo o que aquele ser idealiza, debita, e regurgita é merda! Bendito seja o dia em que o vamos ver pelas costas!... Amém!... Fica já aqui combinada uma mega-festa de comemoração! Estão todos convidados!

Quem perde entretanto? O mundo em geral e todos os que não são louros de olhos azuis, heterossexuais, de classe média para cima, americanos (preferencialmente de, pelo menos, 3ª geração), machistas, misóginos, racistas...

Mas que merda de mundo é este, caraças? Um mundo em que não basta ser-se um ser humano? Um mundo em que ser pessoa não chega?

Fodei-vos!!! Todos os racistas, machistas, misóginos, homofóbicos e preconceituosos em geral! Que todos os dias da vossa vida escorreguem numa casca de banana e caiam de fuças num monte de cocó! Sois merda!

Pronto, já aqui vim debitar assunto! Passem um dia muito feliz, todos os que são apenas pessoas, que aceitam os outros como eles são, sem preconceitos!... os outros já sabem... é lerem o parágrafo anterior!

Ps. Não vou publicar comentários preconceituosos! Aqui não têm tempo de antena! Avisei! Fui!

Hoje fui dar uma volta... à casa da MJP!

Olá 'ssoas giras!!!!!

Hoje fui fazer uma visita à casinha da MJP!... Ah pois é... desconfinei! Mas só a nível virtual que na vidinha real, daquela que quando beliscamos dói, ainda estou em casa... raisparta!

A MJP, que é uma querida ao contrário de vós (ingratos!!!), bota fé nas palavras da vossa Marquesa favorita, e vai daí convidou-a para botar discurso lá pelo seu cantinho, e como a Marquesa não se nega a um bom desafio, aceitou e lá foi toda lampeira, a desfilar por aí fora, debitar assunto... - Alguém me pode passar as gotas, faxavóre?!?!... é que voltei a botar discurso na terceira pessoa do singular... eu-que-nem-sequer-sou-futebolista... raisparta!!!! É dos nervos, só pode!

QUÉ?!?!?!?!... Ainda não foram lá ler?!?!?!... sois uns desnaturados, é o que é!... esperem até eu mandar nisto tudo que eu digo-vos como "elas mordem"... depois não se queixem!...

Pois que por lá, pelo cantinho da MJP, onde haveria de ser?!, fala-se de Liberdade! Se quereis saber mais, é calçarem os sapatinhos e irem até lá! Que eu por aqui não digo mais nada! A não ser que vale a pena porque tudo o que Vossa Marquesa escreve VALE MUITO A PENA... não minervem, catano!!!

Vá ide lá, masé!!!

A ela tiraram-lhe tudo!

Como todos vocês, também estou chocada com o que aconteceu à pequena Valentina... não tenho palavras! Nada do que eu disser vai fazer justiça ao que aquela menina sofreu. Também não vou dar palpites sobre o que os dois seres que a mataram e torturaram mereciam... vou preferir que a justiça funcione, a das leis e a da vida.

Como diz a minha Aspirante mai'nova, até fico mal disposta!

Estou profundamente solidária e empática com o sofrimento daquela criança... eu sei o que é ser abusada em criança, apesar de não ter sido uma violência física. Eu posso avançar, escolher um caminho, viver e ser feliz, a Valentina não! A ela tiraram-lhe tudo! À Valentina já ninguém vai poder abraçar, proteger, dizer que vai ficar tudo bem... tão miseravelmente triste! 9 anos... a Valentina tinha 9 anos!... 

Há pessoas que são uma valente merda, mesmo!

Eles vêm aí!!... é de noite e dia um corrupio!...

Há o fenómeno do Entroncamento e depois há o fenómeno de Marvila! Como vocês são espertos já adivinharam de qual dos dois eu vou falar, certo?

Aqui o meu palácio (sim, pessoas giras, em que outro lugar do mundo poderia dar-se o fenómeno de Marvila?!?... se não fosse aqui pelo palácio significava que o fim do mundo estava à porta!) as visitas sempre foram modestas, mesmo em dia de publicar um post os números sempre foram baixinhos!... palácios não são atrativos para o povinho, está visto! Bahhhh para quem não me lê!... quem perde são eles, vero?

Pois que desde há 2 dias, ontem intensificou-se exponencialmente, isto anda num corrupio... NINGUÉM (leia-se euzinha) entende o porquê!... eu vou-vos explicar, que vocês são sábias pessoas, instruídas e com estudos no assunto, não como uma certa Marquesa que todos conhecemos, e vocês que tudo entendem vão-me explicar a mim, que sou lerdinha ao nível dos blogs e cenas, bale?!... Boa! Sois os maiores, catano!

Eu, volta a meia vou às estatísticas... pois que ontem ia tendo uma síncope, o que não seria de todo agradável... "ele" era um entra e sai (salvo seja) aqui pelo palácio nunca antes visto... nisto há 4 curiosidades, a saber:

1. Não consta que tenha sido referida em lado nenhum... pelo menos não tenho notificação e já pesquisei em tudo o que é canto;

2. As visitas surgem do Google (a maioria), daqui do sapo, e de mais lado nenhum...;

3. 90% são do Brasil!!!! Do Brasil, pessoas!;

4. O post mais lido é todo catita que é, mas também não é assim um fenómeno e já é de 2018... ora confirmem lá!

Alguém me sabe explicar o que se passa aqui?!?!... é que, ainda por cima isto hoje já vai pelo mesmo caminho!... às 6 da manhã já era um corrupio que ninguém conseguia dormir... bem sei que no Brasil os horários são desfasados dos nossos e enquanto uns dormem outros estão a trabalhar, mas... o que raio é que esta gente encontrou no meu blog?!... como chegaram aqui?!?... do Brasil a Marvila ainda é um esticão, caneco!

Bem sei que este belo palácio já merecia um devido destaque, que este é, provavelmente, o melhor blog do mundo e até de Marvila, que estudos estavam a ser feitos, a nível internacional, para entender o porquê de tão poucas visitas, mas... caneco! Assim, à debandada, e do Brasil?!?... Não que eu não goste, que gosto! Receber pessoas é sempre um prazer... mas é estranho!

Vocês digam-me o que se passa antes que eu enlouqueça... olhem que já não falta tudo!!!

Foste uma merda na minha vida!

Já o devia ter feito há mais tempo... mas faço-o agora! Nunca é tarde, dizem os antigos.

Vivi toda a minha vida presa na tua rede, nunca tive coragem de to dizer na cara, agora também já não vale a pena... já cortámos uma grande amarra, a da comunicação. Mais uma vez, por decisão tua! Nem isso me permitiste ser eu a fazer... foste tu, quem resolveu deixar de me falar. Tens sempre que ficar por cima, não é? Não to dizer na cara não me impede de to dizer desta forma, virtual, e a partir de agora cortar a maior amarra, a que me tem prendido a ti desde sempre, desde que me lembro de mim, aquela que não me deixa voar, aquela que, mal ou bem, está presa pelas emoções.

Foste uma merda na minha vida! Aliás, tens sido uma merda na tua própria vida, mas isso é um problema teu! És tu quem tem de o resolver. És tu quem tem de viver contigo, não eu! Fui obrigada, durante quase toda a minha vida a viver contigo, nas tuas amarras, nas tuas garras, manipulando-me, usando-me para atingires os teus objectivos... humilhando-me apenas para te sentires bem, importante, para te sentires alguém! 

Utilizaste toda a tua patranha, toda a tua manha, as tuas falas mansas, a tua tática de ataque e recuo, de esfaquear e fazer o curativo, para me minimizares, para que eu nunca fosse ninguém na vida! Disseste-o tantas vezes, ainda te consigo ouvir a voz: "Tu nunca serás ninguém na vida!"... foram das primeiras palavras que ouvi tuas, ouvi-as toda a minha vida de criança, de adolescente, de adulta... até te ter fechado a porta! Até te ter dito, já não me enganas! E tu, após mais uma tentativa de volte face, de tentares pôr os outros contra mim, como sempre fizeste toda a vida, e de não o teres conseguido desta vez optaste por deixar de me falar. És cobarde! Cobarde como só um cobarde sabe ser! Nem coragem tiveste de me enfrentar quando viste que já não conseguias ter o resto da malta do teu lado!

Foste uma merda na minha vida! Toda a minha vida! Ali, sempre, a pairar, a assombrar, a humilhar, a gozar, a diminuir, a mentir... nunca te apiedaste, mesmo quando apenas vias à tua frente os olhos amedrontados e desesperados de uma criança! Sim, eu era apenas uma criança! Nunca tiveste dúvidas quando me apanhavas sozinha, criança apavorada, e me ameaçavas, me fazias sentir uma merda, enganavas quem eu amava, gozavas comigo, dizias que eu era feia, que parecia um palhaço com aquela roupa, que o cor-de-rosa me ficava mal, assim como o amarelo, apenas e só porque sabias que eu gostava dessas cores... conseguiste que eu deixasse de ter uma cor favorita!... assim não haveria cores proibidas na minha roupa. O meu cabelo era horrível, dizias tu!, a minha avó arranjava-me cortes de cabelo medonhos, dizias tu, até que acabavas por me levar ao teu cabeleireiro e me obrigavas a usar os cortes de cabelo mais embaraçosos, humilhantes de todo o sempre para uma adolescente... nesses momentos eu ia para a escola encolhida, envergonhada, humilhada... mesmo assim tive sorte! Ou fui esperta... contei sempre aos meus amigos e colegas o porquê daquele penteado e assim ninguém gozava comigo mas sim contigo! Ninguém gostava de ti! Nenhum dos meus amigos e colegas te suportavam!... ainda hoje, quando encontro alguém que já não vejo há alguns anos, uma das primeiras coisas que me perguntam é por ti... quando respondo que não nos falamos, que já não fazes parte da minha vida, um sorriso honesto e sincero sai daquelas caras com um: Ufa! Ainda bem! Fico tão feliz!... porque quem gosta de nós alegra-se quando estamos bem! Porque quem gosta de nós alegra-se com os nossos sucessos!

Tu foste uma merda na minha vida! Não quero que me peças desculpa, jamais! Eu não iria acreditar nas tuas palavras, não seriam sinceras... eu iria apenas olhar em meu redor e tentar perceber qual era o patamar, a coisa ou quem tu querias conquistar desta vez, e mais uma vez à minha custa! Tu usaste-me toda a vida!

Passaste por cima de mim como se eu fosse transparente, como se eu não existisse. Atiraste-te sempre ao que querias sem olhares a quem atingias. Fui a tua vítima favorita! A mais fácil, a mais frágil e a mais valiosa também! Sabias bem que se me tivesses na mão, e tiveste toda a vida e sempre, conseguirias atingir tudo o que ambicionavas... e conseguiste! Mas a vida é tramada... fodida mesmo! E, voltamos aos antigos, quanto maior a subida maior a queda! Esbardalhaste-te por aí a baixo aos trambolhões... hoje estás muito só! Tens pouca gente à tua volta! Gente que te ame genuinamente sabes bem que só tens uma, e sabes bem porquê!... às vezes tenho pena de ti! Verdade! Pena genuína... deve ser tão triste!... há quem diga que tu és doente! Há quem diga que foste possuída por espíritos maus!... eu acho que tiveste uma vida de merda, sem nenhuma auto-estima, sem capacidade de realização, cuja única forma de atingir o nível de vida que pretendia era pisar os outros, que só se sentia importante se esmagasse alguém, que só se sentia bem se humilhasse uma criança... sim! Eu era uma criança, lembras-te?... indefesa, amedrontada, apavorada!

Foste uma merda na minha vida! Eu fazia tudo para te agradar, tudo! No meu pavor eu só queria  a tua aprovação, só queria que me dissesses que gostavas de mim... sabes quantas vezes na minha vida tu me disseste que gostavas de mim?... Nenhuma! Nunca! Ainda hoje me questiono... apesar de tudo será que gostaste de mim? Pelo menos um pouco?... eu gostei de ti! Eu era uma criança indefesa, amedrontada, apavorada, sozinha, que precisava de gostar de ti... e, apesar de tudo, gostava!... há coisas que só um coração puro de uma criança consegue, não é?

Foste uma merda na minha vida! Mentiste sobre mim, inventavas histórias sobre mim, falavas mal de mim, só e apenas para que ninguém gostasse de mim!... conseguiste! Parabéns! Conseguiste que tios, tias, primos e amigos adultos não gostassem de mim! Eu, uma criança!... tu fizeste-os acreditar que eu era má para ti, que te tratava mal, que tu eras uma santa por me aturares... eu, uma criança que fazia tudo para te agradar! A ti e a todos a quem tu mentias e manipulavas!... eu, uma criança que apenas procurava amor e aprovação!... 

Foste uma merda na minha vida! Fizeste com que cada dia, logo pela manhã, fosse uma ansiedade, uma incerteza, sem saber se era dia me tratares bem, de forma a manipulares alguém, de forma a me manteres manipulada, ou se seria dia em que nem me falavas (apenas o fazias se estivéssemos na presença de outras pessoas) e em que me irias assustar, humilhar...

Foste uma merda na minha vida! Chorei tanto por tua causa... talvez por isso hoje não tenha lágrimas!... talvez por isso esta minha doença mas tenha secado!... o Universo, seja de que forma foi, achou que eu não merecia chorar mais... mas ainda choro, só que sem lágrimas! Foste uma merda tão grande na minha vida que até as lágrimas me tiraste!

Foste uma merda na minha vida! Lembras-te quando me fechavas no quarto escuro, numa casa que eu não conhecia, eu a chorar de medo, e tu a dizeres, "cala-te! São horas de dormir!"?.... eu com medo! E tu, no teu sadismo ainda me contavas histórias de almas penadas, fantasmas e outros que tais!... contavas-me na primeira pessoa, como se se tivessem passado contigo para dar ainda mais credibilidade!... e eu, criança pequena, com medo de dormir... passei horas, noites acordada! Eu, criança pequena, sozinha, assustada, com medo!

E tu dizias-me sempre, de forma jocosa, com um sorriso de gozo profundo, com escárnio: Tens medo de tudo... E tudo piorava quando o fazias, constantemente, em frente às outras pessoas, fossem adultos ou crianças, como eu!... e tudo piorava quando o fazias para os outros como se eu não estivesse ali... adoravas humilhar-me como se eu não estivesse presente, a ouvir tudo!... e eu, uma criança, incapaz de me defender!

Foste uma merda na minha vida! Lembras-te quando, já jovem adulta, voltei de um fim-de-semana e tu tinhas deitado fora, vendido, o que fosse, a mobília do meu quarto e lá puseste uma outra já usada apenas porque querias remodelar a outra assoalhada?... e eu, jovem adulta, sem ser tida nem achada no assunto! Com um total desprezo pela minha pessoa!... cheguei e tinha a roupa, os livros, tudo o que era meu espalhado pelo chão para arrumar... Foste uma valente merda na minha vida, caraças!

Foste uma merda na minha vida! Recordas-te das vezes em que me dizias, directa ou indirectamente, e por indirectamente entenda-se de quando falavas alto e bom som para outras pessoas sobre mim (era o teu passatempo favorito!... com amigas, família, amigos meus, funcionários de lojas!... sim! Até com os funcionários de lojas, caraças!... que olhavam para mim condescendentes, com pena, sem saberem o que dizer ou fazer... hoje, alguns, teriam feito queixa tua! Isto era violência infantil!), "Não fazes nada de jeito!... não tem jeitinho para nada esta miúda!... nunca vais ser ninguém!... a sério?!?... nem isto consegues fazer?!... só faz más escolhas! Os amigos dela são uma desgraça!... só se dá com gente que não interessa (nunca soube o que é gente que não interessa!... mas tu dizias isso constantemente!)...". Isto tudo dito, sempre, de mão na cabeça, em desespero (ias bem para o teatro!), ar de gozo, sempre de forma jocosa, maléfica e de peito inchado! Sempre tiveste o peito inchado, caraças! Achaste-te sempre a última bolacha do pacote, o supra-sumo da inteligência, o pináculo do ser humano, tu lá em cima e todos os outros a rastejarem aos teus pés... era assim que eras, era assim que vias o mundo!... ainda hoje deves ser assim... mas hoje também não me interessa!

Foste uma merda na minha vida! Quando não me compraste presente de Natal porque não tinhas dinheiro, e enchias a árvore de todos os produtos mais luxuosos, para ti e para os teus! Quando apenas me ofereceste um par de calças e na árvore estavam presentes cujo valor ascendia aos 4 dígitos, e o primeiro não era um 1, nem um 2, nem um 4... dinheiro era coisa que jamais te faltava!... nem que tivesses de o roubar!... E isto era no Natal, na Páscoa, no Carnaval, nos Aniversários... afinal o Natal era sempre que tu querias, verdade? Também me deste bons presentes! Sempre nas alturas em que eu já estava quase a cair do precipício e tu ias lá buscar-me... não podias ficar sem mim, não era? E aí sim, vinham os sapatos de 3 dígitos, os casacos que custavam pra lá de um ordenado mínimo... nunca soubeste comprar barato, disseste-me tu uma vez, com o teu ar de gozo! Fazias sempre questão de me dar os presentes com a etiqueta do preço, sempre! Para eu saber o quanto valia a minha humilhação! Entregavas, com um sorriso de escárnio nos lábios e obrigavas-me sempre, mas sempre, a dar-te um beijo e a dizer: Obrigada!... às vezes tinhas um ritual, levavas-me contigo às compras e se entrássemos em 10 lojas diferentes e se em cada uma delas me comprasses qualquer coisa, nem que fosse um chocolate, ou o lanche, mal saíamos, logo à porta, eu tinha de te dar um beijo e dizer "Obrigada!"... humilhação?!... loucura?!?... prazer?!?... tudo junto! Tudo junto!

Foste uma merda na minha vida! Chegar ao pé de ti, fosse logo pela manhã, à tarde ou à noite, significava ouvir um: Estás com tão má cara!!!... Estás amarela!... Tens olheiras que metem medo!!... e esse cabelo? O que lhe aconteceu?!?... vais assim vestida para a rua?!... esta miúda está doente! Esta miúda tem de ir ao médico!... todos os dias! Desde que me lembro de mim, a primeira palavra que ouvia tua era de humilhação!... eu, uma criança apenas, a quem tu um dia disseste, e como viste que resultou repetiste durante o resto da vida, "Esta miúda foi possuída por um espírito mau! Esta miúda tem de ir à bruxa!"... como é que uma criança dorme a saber que foi possuída por um espírito mau, caraças? Como?!?!

Foste uma merda na minha vida! Sabes que às vezes o que doía mais nem eram as tuas palavras, eram as tuas respostas silenciosas a algo que eu havia dito, sempre na presença dos outros, e sempre com o teu sorriso de escárnio... quando me ignoravas de propósito, deixando-me a falar sozinha! Ou quando respondias para o lado, para quem estivesse ao pé de ti, sempre com o teu sorriso de escárnio, "Eu nem digo nada!", ou "Oh! Meu Deus!".... esse Deus que tu dizes acreditar...

Em todas as etapas da minha vida tu me disseste: "Esquece! Tu não vais conseguir!"... e eu sempre acreditei nisso! Sempre consegui, apesar de tudo, mas sempre com a bitola muito baixa! Sempre a fazer escolhas seguras que não me permitissem falhar. Nunca quis voar alto pois sempre soube que nunca iria conseguir lá chegar! Tu fizeste sempre questão que eu soubesse que não ia conseguir! Parabéns! Foste um sucesso! Conseguiste garantir que eu não tenha sido "ninguém", que nunca tenha tido sucesso, que eu nunca tenha conseguido!

Foste uma merda na minha vida! Durante toda a vida que vivi contigo desejei poder ser maior de idade, independente e sair de casa!... juro-te, todos os dias dou graças aos santos, não ter tido de fazer uma quarentena quando era miúda, contigo na mesma casa... não teria aguentado!

Foste uma merda na minha vida! Lembras-te quando me obrigavas a perguntar-te sempre se podia comer?... de não me poder servir à vontade da comida que havia em casa... de esconderes de mim alguma comida mais valiosa ou que sabias que eu gostava mais e, como criança que era, podia comer tudo... tipo chocolates! Quando compravas doces ou um bolo e dizias que era para oferecer, só para eu não lhes tocar... eu era uma criança! Uma criança!

Foste uma merda na minha vida! Lembras-te quando me dizias, "ou bem que arranjas um homem rico para casar ou estás feita!...". Eu, para ti, era uma merda! Mas uma merda muito valiosa!... daquelas que te valeram viagens a sítios caros, roupa cara, restaurantes chiques, casas de sonho. Perderes-me foi perderes tudo isso!... só agora, que te escrevo, o noto!... mas tu já sabias! Tu fizeste uma última tentativa desesperada de me agarrar antes de afogares... e eu quase caí novamente nas tuas garras... mas, felizmente não caí! Não caí porque, afinal eu já não era aquela criança, já não precisava do teu amor, nem de ti para sobreviver. Porque tu jogaste o mesmo jogo de sempre, e desta vez não resultou e foi aí que deixaste de me falar... atraíste-me com o teu mel para logo de seguida me tirares o tapete, como sempre fizeste, mas desta vez não resultou!... confrontei-te! Abri a cortina e falei a quem tinha de falar e quando tu lá chegaste com as tuas queixas e sorrisos jocosos e lágrimas de crocodilo já estavas desmascarada!... não resultou! Deixaste de me falar, não por raiva, não por vingança, mas porque sentiste que eu te tinha traído! Estavas a castigar-me!... só que desta vez eu não recuei! Já lá vão uns valentes anos sem nos falarmos!... mas tu continuas a amarrar-me! Eu continuo presa nas tuas teias, nas tuas garras... porque tu fizeste bem o teu trabalho! Tu conseguiste que eu acreditasse mesmo que sou uma incapaz! Que jamais serei alguém na vida!

Não quero que me peças perdão! A única coisa que eu quero tua é que me deixes em paz! Deixa-me!

Foste uma merda na minha vida até hoje! Foram precisos 4 anos de terapia para, finalmente, perceber e alguém me dizer, com todas as letras: "Você foi vítima de violência infantil!... e isso é duríssimo!". A violência infantil não é apenas física... a minha não foi, apesar de doer fisicamente, e muito!... sabem lá as dores que tenho nas costas enquanto escrevo isto, caraças! Eu sofri abusos, que não foram físicos nem sexuais, e nunca ninguém quis saber!... até hoje! 

Hoje escrevo-te estas palavras porque foste uma valente merda na minha vida, mas já não és! Eu escolho, com todas as minhas forças, abraçar-me, acarinhar-me, amar-me e permitir-me ser feliz, ter sucesso, e conseguir! Eu escolho ser alguém na vida!

Adeus!

Mulheres Reais!

Eu fico sempre de dedo no queixo, testa franzida (o que é uma chatice porque faz rugas e eu não as aprecio por aí além!...) e ar pensativo, pelo menos durante maia hora, numa tentativa vã e inglória de perceber um termo que, pelos vistos, está na moda e a malta aplaude que é "Mulher Real"... oi?!?! Como disse?!?!... Mas o contrário existe?!...

Há ainda umas variantes chiques-ó-coiso como "Corpos Reais".... ora, tirando os próprios das famílias reais (nos quais me incluo, claro está!), não estou assim a ver como estes termos se enquadram na malta em geral, e em particular também!

Para ser real é necessário existir, vero? Tirando as agência funerárias, que mesmo assim produzem para quem existe, bem vistas as coisas, não estou a ver qual a lógica das marcas produzirem para algo ou alguém que não existe!... assim, dizer: "Para mulheres reais ou com corpos reais" é uma redundância, certo?

Outra curiosidade, ou incongruência, como queiram!, nesta questão é que nunca é para "Homens Reais"... porquê? Porque as marcas partem do princípio, e bem, que os homens são todos reais. Mas, queridas marcas machistas-Ó-misóginas-Ó-coiso, as mulheres também são TODAS elas reais. Pesem 40 quilos ou 100 quilos, tenham 1,80 m ou 1,50 m, sejam loiras verdadeiras ou pintadas, sejam pretas ou brancas, com anca grande ou rabo de pêssego, tenham mamas a apontar para Sul ou mamas a apontar para Norte, estão a ver a ideia? Todas elas existem e se existem são reais!  

Deixem-se de merdas masé! Assumam, de uma vez por todas, para quem produzem e façam campanhas em conformidade, mas sem merdices de clichés como "Corpos Reais", "Mulheres Reais" e o caneco! Apenas produzam para mulheres, elas são todas reais! A partir do momento em que nasceram e até falecerem são reais!... estão dispensados disto as agências funerárias, claro está!, já que estes jamais utilizarão este slogan.... mas tinha graça, até!... "o caixão perfeito para cadáveres reais"!!! Ahahahahahahahhahahahahah!!!!!

Vá, deixem-se de merdas e passem a dignificar a mulher, sem paternalismos e cocós deste género!

Raisparta o dente!

Pois "ele" há coisas que só a mim me acontecem, berdad?!?... pois! Vós sabeis como é a minha vida de Marquesa amaldiçoada com a lei de Murphy!!!... raisparta!!!

Está um cidadão, eu!!!, em clausura há mais de 40 dias, só tendo saído 3 vezes para esticar as pernas ao redor do quarteirão, e o que é que lhe acontece?!?... hum?!?!?!... adivinhem ,vá! Adivinhem lá se sois capazes?!?!... não sois, pois é?!?!... conhecem-me mal é o que é!... 

Cá vai, cai-se-me uma massa do dente da frente!!!!

Podia ser de um dente de trás?!?!... Podia! Mas eu sou A Marquesa da Marvila, vivo no fio da navalha! Se é para cair uma massa em plena quarentena que seja a do dente da frente, catano! O resto é para tenrinhos e todos vós sabeis que eu não sou tenrinha!... raisparta! Mais valia ser!

E-Agora-O-Qué-Queu-Faço?!?!?!.... Os dentistas estão fechados, caneco!...

Como que por milagre, o meu dentista assegura as consultas de urgência na clínica... Yeaaaahhhhh!!! Vivó doutor dentista de sua Marquesa!!!!!... e está de serviço no dia seguinte!!! Yeaaaaahhhhhhhh!!!!!

Mas é em Mafra... raisparta! O carro não sai da garagem há uma vida!... e precisa de mudar o óleo... claro!!!! Ou pensavam que era assim fácil, fácil!... estais falando de Vossa Marquesa favorita!... - como quem?!?!... já cá faltavam vocês para minervarem, catano!!!!... ahhhhh!!!! Estavam a reinar! Assim está melhor!

Então, como Vossa Marquesa favorita, sim, eu!!!, é uma pessoa bem relacionada, ou não fosse ela Marquesa dessa importante localidade que é Marvila, e falou com um seu conterrâneo, também ele cidadão de Marvila, ou perto que aquilo confunde-se tudo, e lá foi trocar o óleo ao carro para seguir para Mafra arranjar o raisparta do dente, oh caraças!

Vocês sabem lá o que é, pessoas giras, sair de casa, ir de carro mudar o óleo, ir até Mafra, entrar num consultório, em que o dentista parecia um ser vindo directamente de Marte (tal era o equipamento à prova de tudo!), depois de mais de 40 dias enfiada em casa... um filme!

Ah e tal estou farta disto! Estou farta de estar em casa... eu estava deserta por regressar a casa!... com a agravante de não saber se regressei com "o bicho" agarrado a mim ou não! Mesmo com todos os cuidados!...

Portagem!... bota o dedo no botão em que toda a gente botou, agarra no volante que o carro não anda sozinho e não pode ficar a encravar a portagem... será que alguém já pensou nisto?!?!... é que não dá para parar na auto-estrada para desinfectar mãos, botão, volante, manete de mudanças e o caneco!... claro que é impensável as Brisas da vida ficarem sem cobrar portagens, o que seria.... raios os partam, masé

Depois, e bem, mas faz-nos pensar que estamos noutra dimensão e sentir que o perigo é real, chegamos à clínica e após o check-in, que só de si já parece um filme de ficção científica (guiché com acrílicos, máscaras, gorros, fatos, óculos, tudo!... e bem, atenção!), a sala de espera é no próprio carro! Não fica ninguém dentro da clínica, para além da senhora da recepção e do dentista que está a assegurar, só e apenas, urgências. Nem ajudante há! Quando chega a nossa vez telefonam e entramos, só uma pessoa de cada vez!

O dentista, já vos disse apetrechadíssimo, só o reconheci pela voz! Nem os olhos se conseguiam ver em condições!... e somos amigos! Conhecemo-nos há alguns anos!... só um olá! O que aconteceu? Está tudo bem convosco? Adeus! 

Cadeira, só a de tratamentos! Ninguém ali fica mais do que o tempo necessário para fazer o tratamento que tem de fazer!

Acho bem! Muito bem! Medidas excelentes! Mas... e o medo?!? E o respeito que isto impõe?!... Não estamos para brincadeiras, apesar de muita gente achar que sim!

Quanto a mim, já tenho o dente impecável! Estou desejosa de lá voltar, o meu tratamento ficou a meio, com a certeza de que quando isso acontecer todas as medidas de segurança estão asseguradas!

Até lá, fiquemos em casa!

Uma vénia a todos os profissionais que arriscam a vida por todos nós!