Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Marquesa de Marvila

Aqui não se aprende nada... Lêem-se coisas escritas por mim, parvoíces na maioria das vezes mas sempre, sempre verdades absolutas (pelo menos para mim).

Os colegas são...

Como sabem, se não sabem andam desatentos e não andam a seguir este blog como deve de ser, ou seja todos-os-dias... Já minervaram, catano!... Dizia eu, como sabem andei a frequentar o curso de formação. Sabem lá vocês o que eu gosto de aprender e ter formações... verdade! Se pudesse era a vidinha que escolhia... não dando, olhem vou fazendo algumas formações e nos intervalos trabalho... vida de pobre é uma tristeza, camandro!

Bem, mas vamos ao que interessa frequentei uma formação durante uns dias. Gostei bastante, a formadora era espectacular, a matéria interessante, aprendi coisas muito importantes para a minha actividade laboral, os colegas... os colegas... os colegas... não, não risquei o disco, estou apenas a reflectir... eu gostei dos colegas na generalidade, até porque gosto bastante do ser humano e de o conhecer. Gosto de conhecer o ser humano, mesmo aquele por quem não nutro especial simpatia, faz-me perceber as características da humanidade...

Ora bem... os colegas... há vários tipos de colegas, a saber:

- O atrasado: Aquele que dê por onde der chega sempre atrasado... não há volta a dar! e há 2 tipos de atrasados, os que chegam e sentam-se sem que se dê por eles, para não importunarem a aula, e os que chegam e fazem questão de que todos saibam que chegou. Veredicto: O Atrasado não me incomoda, se for o que não se dá por ele...

- O aplicadinho: Aquele que estudou, pesquisou, fez tudo e mais alguma coisa para saber mais do que todos, assim que chegou a casa! Veredicto: Não me incomoda desde que não escarrapache na cara dos outros a sua suprema sabedoria!

- O que nunca percebe nadica de nada: Já está a malta a fazer desenhos, pessoas descabeladas, uns prestes a cometerem suicídio no desespero de o fazer entender mas... nada! Quando parece que entendeu e faz o resumo.... puffff!!! Nadica de nada! Veredicto: Gosto destes! Não só me ajudam a aprender com as perguntas que fazem como são humildes.

- O que faz sempre o melhor trabalho: para desespero de todos os que deram o corpo ao manifesto, que hipotecaram horas de descanso, que suspenderam o convívio com a família, há sempre alguém que fresco e fofo apresenta o melhor trabalho... aquele trabalho em que todos pensam: Catano, porquê que eu não me lembrei disto?... Veredicto: Para grande pena minha, não costumo fazer parte deste nicho... adoro aprender mas detesto trabalhos, principalmente de grupo (fica para outro post), são uma perda de tempo para a aprendizagem e um enorme ganho de tempo para o formador... Mas, estes não me chateiam, desde que não sejam pavões e que apresentem o trabalho de forma a que todos aprendam.

- O "quem é que deixou esta alma inscrever-se neste curso?": é o pior de todos!!!! A formadora está a fazer a pergunta e ele, nem põe o dedo no ar, salta da cadeira, atropela tudo e todos para ser o primeiro a responder. Dá-se o caso de errar muitas vezes porque não deixou a formadora terminar a pergunta e como tal respondeu ao calhas... é o que acaba as frases da formadora... assume a postura de "tipo buéda fixe", o tipo que partilha tudo com todos... não se deixem enganar, ele só vos está a tentar dizer o quão burros e imprestáveis vocês são e o quão inteligente, esperto e prestável ele é... ele partilha tudo! Pessoas... esta personagem existiu mesmo no meu curso... foi desesperante! A formadora estava a falar de um livro e aquela alma pesquisava na net o livro e partilhava em directo e a cores no grupo do Whatsapp o tal livro... alguém falava de alguma coisa e pimbas! Whatsapp... vocês não fazem ideia, não fazem mas eu digo-vos: aquela alminha conseguia partilhar mais de 40 Whatsapps por aula... um desespero! Era o máximo, a melhor pessoa do mundo, a que sabia tudo, a que abanava a cabeça a cada pergunta que não era feita por si, a que nem por 1 segundo se calava... alguém pedia para a formadora enviar a apresentação por email e a alma dizia logo: Não é preciso! Eu já fotografei e enviei para o grupo!... ali, em directo!... 
Veredicto: Não há pachorra! É a alma começar a falar e eu a revirar os olhinhos!... só tenho vontade de fugir a sete pés! E depois eu sou fodida tramada, mas é algo que não consigo controlar, é mais forte que eu, é a minha ruindade em acção, mas eu não consigo fazer um sorriso a estas pessoas! Não dá!

- Por último há o colega espectacular: Eu!!!....
.

.

.

.

.

.

Ainda aí estão?!?... hummmm?!?!... É que a minha net foi abaixo com a informação que partilhei no último parágrafo... a net não aguenta este tipo de informação, catano! 

Destralhar... essa cena que está na moda mas que custa comóraio!!!

Vocês sabem lá o que aconteceu neste palácio na passada semana... resmas de jornalistas aqui à porta a querer saber o que se passava... foi a lócura, senhores!!! Mas eu conto-vos em primeita mão! Escusam de ver a cmtv... eu poupo-vos a tamanho sofrimento!

Então não é que a vossa Marquesa, aqui a menina, resolveu arrumar as suas roupas... ou seja, livrar-se de vez das pilhas que pululavam pelo quarto (não pululavam nada que elas não se mexem sozinhas, isto aqui é um palácio e não um covil de bruxas). E vai daí que arregaçou as mangas, já vos disse que as pilhas não se mexiam sozinhas e por isso também não se arrumavam sozinhas, o que é uma pena, desde já vos digo, e resolveu arrumar. Fónix que ninguém acreditava que um dia isto ia acontecer... mas aconteceu! Ou melhor está a acontecer que ainda falta muita coisa... 

Mas só assim de repente (que é como quem diz um dia inteirinho, camandro!) 3 sacos de roupa foram a andar... Ai senhores, vocês sabem lá o que me custa destralhar... sabem lá! Fosse eu rica e o destralhe ser-me-ia muito mais fácil, mas como não sou acho sempre que um dia (lá para Fevereiro de 2068) algo que vai fazer falta e eu... deitei fora, ou dei ou vendi, óh caraças!

Lágrimas de sangue escorreram pela minha face ao colocar pecinha a pecinha dentro dos sacos... pior se tornava quando, decisão tomada me chegava o Marquês e perguntava: Mas vais dar isso?!... É tão giro! - Fónix!! Basa, catano! Não compliques!

Ao contrário do que é costume, os 3 sacos não ficaram parados a ganhar raízes no chão da casa por tempo indeterminado... nananinanão! Foram a andar! Foram postos na rua sem dó nem piedade... mentira! Eu era lá capaz de pôr na rua ex-pertences meus que um dia me fizeram feliz... foram para dar! Mas foram! Foram e não voltaram! E esse é o milagre, senhores! Aleluia, irmãos! Menos tralha cá em casa...

Mas ainda há cá tanta coisa... aos poucos chegamos lá!!! Lá onde, Marquesa?... à arrecadação! Ahahahahahhahahahahahahahhahahahahh!!!!!!!! (Este é um riso demente!) A Arrecadação deste ilustre palácio é um espaço que todos temem... onde ninguém se atreve a pôr um pé, com medo de por lá se perder para todo o sempre. Para lá entrarmos temos de nos munir de GPS, Bússola e Telemóveis potentes (temo que com tanta tralha a rede se perca, apesar de a dita ficar no telhado... nunca fiando!). Todos os anos o Marquês tem a nobre tarefa de ir à arrecadação buscar a Árvore de Natal, é uma tarefa fácil, mas heróica, dado que ela está tão encostadinha à porta que basta abri-la e a árvore salta de lá (o perigo é se salta mais alguma coisa... que medo!!!), para a guardar é o processo inverso. Abre-se a porta com cuidado, só o suficiente para a árvore passar e fecha-se rapidamente. Aquele é um local perigoso... mas um dia vai ter de ser! Um dia pessoas corajosas ultrapassarão os seus medos e enfrentarão o inimigo! Um dia... não hoje! Um dia... sem pressas! Um dia... 

Para já estamos a destralhar aqui dentro de casa! Ou melhor, estou eu! E as aspirantes que também andam a escolher dos seus pretences cenas que já não lhes interessam ou não lhes servem... nós chegamos lá! Nós somos fortes!... entretanto pode ser que nos saia o euromilhões e vai tudo a andar e compramos de novo!... ou então não! Ou então fechamos tudo à chave, compramos um palácio novo e recomeçamos o entralhamento...

A cura está a uns escassos 75 mil euros de distância...

Este fim-de-semana, andava eu a percorrer o Instagram, Facebook, Blogs e cenas na net, quando me deparo com mais um apelo pela vida! Infelizmente as doenças não escolhem onde, quando e como aparecem e apenas fazem isso mesmo: Aparecer! Pode acontecer-nos a todos, seja como protagonistas, seja como personagens secundários.

Este apelo, que como tantos outros me chegam ao coração e me dificultam prosseguir a minha vida descansada (afinal há pessoas a sofrer), revoltou-me! Revolveu-me as entranhas! Fez com que tivesse vontade de bater em alguém... não apenas uma, mas muitas pessoas, de as abanar e de lhes dar umas valentes chapadas nas fuças, catano!

Há coisas que ultrapassam a minha capacidade de raciocínio, caramba! Não entendo como há pessoas que conseguem deitar a cabeça na almofada e dormir descansadas, não compreendo!

Este apelo referia-se a uma mãe de família, uma mãe jovem, com 3 filhos ainda crianças.... uma mãe com cancro! Uma mãe, filha, irmã, amiga, mulher que ama e tem quem a ame, que tem uma vida para viver mas o tempo contado... alguém ligou o relógio em contagem decrescente, esse alguém, que guarda o relógio na mão, à vista de todos mas só ao alcance de alguns, acena a esta mulher e seus entes queridos dizendo: Já tens pouco tempo... Vê lá masé de arranjas o que interessa (dinheiro) para te tratares...

Assim é, meus amigos! "Não há dinheiro, não há palhaço... neste caso, não há dinheiro, não há cura! Temos pena... next!". Estamos em pleno Séc. XXI, na Europa, em Portugal, país da Comunidade Europeia... como é que esta situação é admissível? Como é que existe o tratamento, a cura, aqui mesmo em Portugal, aqui mesmo em Lisboa, aqui mesmo numa dos locais que mais contribui para o estudo do cancro, com taxas de cura elevadíssimas, com meios de tratamento inovadores e topo de gama, e só tem acesso ao mesmo quem tem dinheiro? Como é que se pode fazer da vida das pessoas um negócio? Como é que o Estado não comparticipa tratamentos que curam? Como faria o Presidente da República ou qualquer Ministro, caso um seu ente querido (mãe, pai, irmã, irmão, filha, filho...) precisasse destes tratamentos?... Limitar-se-iam estas almas ao Sistema Nacional de Saúde e a um diagnóstico de: "Já tentámos tudo... nada mais há a fazer!..." ou iriam à Fundação Champalimaud, cujo Estado não comparticipa, pagar 75 mil euros pela cura?... como podem estes governantes olhar nos olhos dos contribuintes? Das pessoas que têm a cura ali ao lado mas não têm dinheiro para a alcançar...

Revolta-me as entranhas... Sinto náuseas a vê-los, aos que nos governam (e amigos, não me venham com tretas de ser o Ps, de esquerda ou direita, centro, baixo ou cima... nenhum partido fez ou faz nada neste sentido), a pavonearem-se em cerimónias na tal Fundação, a entregarem prémios e a receberem louvores... Afinal, é ou não uma Fundação séria e válida? Com tecnologia de ponta e tratamentos de sucesso? Se é então porquê que o estado Português não comparticipa?

Há uma mãe (e haverá um pai, irmão, filha, amiga, amigo...) que precisa de 75 mil euros para ter esperança... para poder olhar para os filhos com certeza de os ver crescer... há um Estado que não quer saber... há um Estado que diz: - Temos pena! Gostámos de a conhecer... next!

Dêem uma chapada na cara de quem diz que dinheiro não traz felicidade, por favor! Quem o diz ou tem inveja ou tem 75 mil euros para se tratar ou tratar dos seus!

 

Há vidas à vossa espera

A vida prega-nos partidas sérias, daquelas que nunca estamos à espera, daquelas que não desejamos a ninguém, daquelas que pensamos só acontecer longe, muito longe e a pessoas desconhecidas.


A vida pregou uma partida à m-M, partida é uma forma de falar, a vida foi sacana com a irmã da m-M e, como consequência, com a própria m-M. Já vos tinha falado deste tema, não faço ideia se surtiu efeito, se de alguma forma alguém (uma pessoa já seria incrível) saiu do sofá e foi fazer algo por alguém que precisa muito... só sei que não posso deixar de vos falar de novo no tema.

Tenho pensado muito na m-M, na sua irmã, nos seus sobrinhos, nos seus pais, nos seus amigos... sim! A irmã da m-M tem dois filhos que precisam de ter a sua mãe consigo, que precisam do seu colo, do seu amor, do seu amparo enquanto crescem. A irmã da m-M tem apenas 38 anos. Aos 38 anos ainda não se viveu nada, ou viveu-se muito pouco.

Sabem quando estamos no sofá a ver o telejornal e reclamamos com a guerra na Síria, pensamos nas pessoas que morrem e revoltamo-nos por os governos nada fazerem?... Quando no mesmo telejornal se anuncia um aumento de impostos e nós impotentes reclamamos, vociferamos e sentimo-nos de mãos e pés atados?... aquela sensação de que nada podemos fazer?... de que nada está nas nossas mãos?... de que a nossa vida está nas mãos dos outros?...

Pois desta vez é o contrário! Desta vez vocês podem fazer tudo! e desta vez a vida da irmã da m-M está nas vossas mãos. Lembre-se, ela só tem 38 anos, ela tem 2 filhos que precisam dela, uma irmã, uma família, amigos e uma vida pela frente se vocês se dispuserem a ajudar. Não custa nada! Basta dirigirem-se a um centro de recolha (estão espalhados por todo o país. Quem vive no estrangeiro também o pode fazer), é-vos feita uma pequena recolha de sangue e já está!

Para serem dadores de medula basta abrirem este link, verem se estão dentro dos requisitos (nem toda a gente pode doar medula. Eu não posso, por exemplo, devido à minha doença auto-imune. Mas tenho muita pena e até cheguei a ir a um dos centros de recolha para confirmar se não podia mesmo.). Vocês podem salvar uma vida, caramba! Estão à espera de quê, mesmo? A vida da irmã da m-M está nas vossas mãos, e se não for para ela, muitas outras vidas estão suspensas a aguardar que alguém faça algo por elas, e esse alguém são vocês. Não esperem que os outros façam algo que, desta vez, vocês podem fazer.

Quem não puder ser dador, pelo menos divulgue, chateie quem pode ser para que o seja, mas façam parte da vida de quem a tem suspensa. Larguem o comando e parem de reclamar que os "outros nada fazem"... Façam vocês!

Há vidas à vossa espera!

Desafio das 52 semanas: Semana 41

20817683_bPD0p.jpeg

 

Ora cá estamos, não é?!... para mais uma semana de desafio. E eu, cheguei a tempo, mais uma vez! Ai que eu estou a atinar com isto!!!

As coisas mais difíceis num relacionamento amoroso são:

O próprio do relacionamento amoroso!!!! Aahhahahahahahah!!!!! Não é nada! Estou a reinar! (Sóquenão)...

Há muita coisa difícil no relacionamento amoroso, depende de pessoa para pessoa. Eu não suporto o seguinte, e desde já vos digo que salto fora (agora já não que já tenho quem me ature há mais de bintianos, catano!):

Ciúmes! - Vá de reto, Satanás! Cruzes, canhoto! Toc-toc-toc (eu a bater 3 vezes na madeira)... só de pensar já fiz figas, benzi-me e rezei 50 mezinhas... chiça!... já me recompus!

Mentira - não suporto mentiras no geral! E, bem vistas as coisas, no particular também não. Tenho dificuldade em voltar a confiar após uma mentira!

Confiança - não concebo a ideia de partilhar a vida com alguém em quem não confio. Não dá! Se não há confiança não há amor... sorry!

Querer mudar o outro - "gosto muito de ti mas vai daí e já mudavas umas coisinhas..."... !!! Não gostas da pessoa, gostas do que ela representa, da carinha laroca, dosjólhos lindos, etc, etc...

Gémeos!!!! - somos namorados, amantes, casados, o que for... mas não somos gémeos, bale? Eu sou eu e tu és tu, capisci? Não há cá páginas de facebook em conjunto, um somos inseparáveis, um para onde vai um vai outro, nem a correspondência de um é a correspondência do outro, o código de acesso a tudo e mais alguma coisa é dos dois... !!!... nada disso! Amor é amor, respeito e privacidade são outra coisa, que faz parte, eu aprecio e não suporto o contrário!

Não vou falar do óbvio que é a violência, sob que forma for! Seja física ou verbal! É inadmissível e não é amor! 

 

Neste TAG participam para além de mim, a 3ª face, a Ana, a Ana Paula, a Catarina, o Carlos, a Carlota, a Charneca em Flor, a Daniela, a Desarrumada, o David, a Fátima, a Gorduchita, a Happy, a Hipster Chic, a Isabel, a Mãe A, a Mariana, a Maria Mocha, a Mimi, a Paula, o P.P, a Sweetener, a Sofia, a Tatiana, a Tita e o Triptofano

Mais uma questão de pele...

A síndrome não me tem deixado em paz estes dias... estes dias que já vão longos, já faz um mês, sensivelmente! Já estive pior, é verdade! Mas há questões que me estão a atormentar. São duas: Os olhos, ou melhor um olho (continuo em busca do "oftalmologista perfeito"... que romântico! Não é nada, estou apenas à procura do oftalmologista competente e que perceba desta síndrome); e a Pele!

Hoje debruço-me sobre a pele. Com o recomeço dos dias mais frescos e chuvosos, recomeça também a desidratação da minha pele. Tomar banho é uma tortura sem precedentes, para mim. Agulhas, picos, espetadelas na minha pele que só acalmam uma a duas horas após o banho. Já faço o que é recomendado: Banho rápido (imersão, nem pensar, meujamigos), água morna (o que eu gosto de água quentinha, senhores!), produtos de banho com óleo, etc...

Pelo que tenho lido por esse mundo virtual, a pele é uma das queixas da maioria das pessoas que tem esta síndrome. Os dermatologistas não estão muito "por dentro" das especificidades desta síndrome, que é muito complexa, e vai daí é chapa 5. Já vos contei como foi a minha última ida à dermatologista, só não vos contei, mas conto agora para ilustrar o que estou a dizer, é que comprei o protector solar facial que ela me recomendou (custou cerca de 28 euros, catano!)... ahhh!!! Deve ser buéda bom! E tal e coiso... deve ser espectacular, nem ponho isso em causa, no entanto eu não o consigo usar. Os meus olhos não o aguentam e fico de tal forma que nem os consigo abrir. Assim, tenho ali um produto de marca, de farmácia, recomendado pela dótora (caro comó raio) a apodrecer...

Portanto, ainda continuo em busca de algo para a minha pele. Desde hidratante facial, protector solar facial (sim, tenho de usar que a síndrome também causa alergia solar, intolerância e tudo isto pode despoletar uma crise), um espectacular creme de corpo e um gel de banho em óleo que seja mesmo incrível. Tudo isto sem ter de vender um rim, ou dois... Eu sei que se comprasse tudo isto apenas uma vez e fosse tudo incrível eu não precisava de vender um órgão que tanta falta me faz, o problema é que, tal como o protector solar facial, muitas vezes estes produtinhos ficam no armário à espera que passem de validade para irem para o lixo. Estão a ver?

As marcas não se mostram nada interessadas em ajudar com amostras. Ou compras ou temos pena, usa azeite que também é bom!

Aliado a isto eu tenho uma certa consciência ecológica e como tal não compro produtos que testem em animais, que tenham na sua composição coisas estranhas que ninguém sabe o que é. Prefiro produtos com ingredientes naturais (e mesmo assim já abri excepções, tais como o protector solar, ó caraças!). Isto não é fácil, mas não é impossível. Digo eu! 

Para o corpo já descobri um óleo sem o qual não passo, é do Instituto Español e descobri-o no ano passado em Espanha. É barato, não tem parabenos e silicones e o catano, não testa em animais e resulta muito bem na minha pele. Para que percebam, o meu ritual de banho é o seguinte:

- Rápido!
- Após o banho, ainda com a pele molhada, coloco o óleo;
- Seco-me;
- Coço-me, como se tivesse sarna e desespero um bocadinho;
- Coloco creme para peles atópicas da mesma marca (é o melhor que encontrei até hoje, mas não é mega incrível);
- Fico pegajosa;
- Coço-me como se tivesse caído nas urtigas e em cima de um formigueiro;
- Visto-me;
- Estou cerca de uma hora a coçar-me, a dizer mal da vida e, por vezes, choro (verdade!).

Ao longo do dia, por vezes, tenho de pôr creme e à noite tenho sempre de pôr creme. Ontem ainda ouvi da minha filha: As tuas mãos estão tão secas... Eu tenho pele mista a oleosa, mas pele mega desidratada. E há tão pouca gente a entender isto! Nas farmácias, para-farmácias, lojas de cosméticos especializadas, todos tendem a achar que pele desidratada e seca são única e a mesma coisa. Não são! Valha-nos o Triptofano que entende isso muito bem e explicou num post maravilhoso a diferença. Obrigada! Ainda há esperança na Humanidade!

Os médicos limitam-se a dizer-me: Compre um bom creme! Olhe pode ser este! E eu compro... e desespero...

Marcas desta vida, vocês só têm a ganhar se disponibilizarem amostras às pessoas... depois elas gostam e vão comprar e recomendar e essas cenas todas, bale?

Eu não acho as crianças fofas e maravilhosas!

Pois é verdade!... Lamento desiludir-vos mas aqui a vossa Marquesa não morre de amores por criancinhas...

Já aqui há tempos comentei isso mesmo no blog da M.J (a propósito, quem não conhece, vale a pena lá irem todos os dias! Vão adorar!)! Não adoro crianças nem nunca adorei!

Quando eu própria era uma criança não tinha como brincadeira preferida as bonecas. Gostava de brincar na rua, como já vos contei, na minha vila em Lisboa, com os meus amigos, gostava de brincar com os carros que haviam sido do meu pai, gostava de brincar às profissões (ora professora, ora dentista, ora telefonista, ora bancária...), mas bonecas nem por isso! Enervavam-me as bonecas! Não dava para brincar a coisas giras com elas, principalmente os bebés... quando brincava aos pais e às mães com as minhas amigas não me voluntariava para ser a mãe... gostava de ser a irmã mais velha! - Psicólogos que me leem... eu sou um caso de estudo, eu sei!

Vai daí que nunca tive como grande ambição ser mãe! Nunca me derreti com os bebés, as crianças e essas cenas. Casei e engravidei ao fim de uns tempos. Nunca perdi horas de sono a pensar no tema, mas continuava a não adorar crianças, não babava quando via uma, não me derretia com os gu-gu-dá-dá da vida... não lhes fazia mal (aliás, nunca fiz mal a nenhuma criança, nem lhes desejo mal, atenção!), mas não as adorava! - Ahhhh, e as hormonas, não funcionaram, foi? - Funcionaram, claro que sim! Era ver cães fofinhos abandonados, o estado do mundo, a fome, famílias a fazer contorcionismo para poderem comer, pessoas felizes, um abraço, um beijo e eu desatava a chorar (claro que se algum dos intervenientes referidos fosse uma criança o efeito era o mesmo, chorava, como ainda choro! Choro - sem lágrimas, claro está - sempre que vejo alguém sofrer, mesmo uma criança, ou sempre que vejo alguém a atingir um feito incrível, mesmo uma criança). 

Mas a questão é que adorar crianças foi um processo que nunca se deu! Depois de ter a aspirante mai'velha, passei a amá-la com todas as minhas forças, a defendê-la de tudo e de todos, a estar com ela sempre, no bem e no mal, noites acordada quando estava doente, leva à festa, vai buscar à festa... a minha aspirante mai'velha (algo que se estendeu à mai'nova) era a criança mais linda e perfeita do mundo!... as outras crianças?!... nem por isso! Continuo com o mesmo espírito! Amo as minhas filhas, são lindas e maravilhosas, faço tudo (ou quase, vá) por elas... mas só porque são elas!

Por exemplo, as minhas filhas vão para casa das tias, dormem lá, vão para casa de amigas, dormem lá... os meus sobrinhos nunca dormiram cá em casa, as amigas delas raras são as vezes em que vêm cá a casa... quero dizer, agora já podem vir mais, já não são propriamente crianças, não é?...

Agora que já vos desiludi, será que ainda me vão continuar a ler?

Ps. Também acho que esta minha não adoração por crianças se deve em muito aos pais das ditas... mas isso fica para outro post!

Baby blues?!... Isso não é para mim!

Andava eu entretida pelo instagram a ver cenas (ver cenas é uma coisa que eu faço bastante no facebook) quando me deparo com algo que me assustou... que me indignou... que me fez pensar no perigo que é certas pessoas terem acesso a redes sociais... principalmente quando falamos de pessoas com mais de 300 mil seguidores, absolutamente imaturas e muito dadas à parvoíce inconsequência.

Ora, esta pessoa de que vos falo foi mãe aqui há uns tempos e, uma leitora questiona-a sobre como lidou ela com o Baby Blues. Para quem não está familiarizado com o tema, baby blues é um estado de depressão que acontece após o parto, muito por culpa das hormonas e que muito facilmente pode desembocar numa depressão profunda e grave.

Mas, dizia eu, a cachopa quando questionada sobre como tinha lidado com o baby blues, responde: Chora-se um bocadinho por tudo e por nada mas depois olha-se para criança e passa.... what?!?!... como assim?!?... então e aquelas pessoas que têm de ser internadas por causa disso? E aquelas a quem lhes basta olhar para a criança para piorar tudo e até tem vontade de abandonar a cria (para não dizer pior)? E aquelas que entram numa depressão profunda? E aquelas que não chegam a ver o bebé crescer porque se suicidam?... - Ai que drama, Marquesa! Eu fui mãe e não se passou nada disso...- Mas há pessoas que passam! Há pessoas que sofrem horrores no pós parto e precisam de tudo menos de uma cachopa a fazê-las sentirem-se culpadas porque quando olham para a criança não passa... até piora!

Terão estas miúdas consciência da responsabilidade que é terem tantos seguidores? Terão noção que não servem apenas para mostrar o último rímel ou a saia mega fashion que estão a vestir? Estas miúdas têm uma responsabilidade cívica e social e não podem de ânimo leve dizer este tipo de coisas. Terá pensado esta baby que do outro lado poderia estar uma mãe desesperada sem saber o que fazer? Não teria ela de ter a responsabilidade de a aconselhar a procurar ajuda?...

Fico muito nervosa com estes temas! Adoro contas que me mostram as últimas novidades do mercado, até já escrevi sobre isso, mas fico transtornada com esta falta de responsabilidade, maturidade, o que lhe quiserem chamar...

Alguma coisa devemos estar a fazer bem!

Há lições para vida! Há lições de vida! E há ensinamentos que me fazem crescer, pensar e repensar a minha vida... Há lições que me vêm das pessoas mais inesperadas!... e essas lições, desta vez, vêm das minhas duas aspirantes!

Alguma coisa devemos estar a fazer muito bem, eu e o senhor Marquês! Estou cheia de orgulho das duas aspirantes! Tanto orgulho e tão inesperado... não que eu não confie nelas mas pelas decisões difíceis que ambas tomaram.

A aspirante mai'velha tomou uma das maiores decisões da sua vida, contra tudo e contra todos, que foi escolher a área de estudos a seguir no 10º ano. Teria sido tão mais fácil para ela seguir o resto da malta, fazer a vontade aos avós, não ter de dar satisfações constantes a todos os adultos que questionam a sua escolha... mas... não teria sido feliz, certamente! Quando terminou a escola onde sempre andou, com os colegas de sempre, e teve de decidir a escola e curso para onde iria, a decisão estava tomada! Quase todos os colegas seguiram juntos para a mesma escola, para a mesma turma, até, para o curso que ninguém questiona e todos concordam ser o curso "com futuro"... seja lá o que isso for!...

A aspirante mai'velha, não hesitou! Iria sozinha para outra escola, para outro curso, para fazer o que gosta! Ela escolheu o seu futuro! Afinal é a ela e só a ela que este pertence. Nós?!?... nós apoiámo-la! Nós orgulhámo-nos! Nós continuamos sempre a apoiá-la!... apoiá-la-emos contra tudo e contra todos! Vamos sempre defendê-la dos comentários críticos marotos  e das questões que tentam ridicularizar... ela escolheu o curso que quer, vai fazer aquilo que quer e isso tem tudo para dar certo! Sermos felizes no que fazemos é meio caminho para o sucesso, a outra metade do caminho é sermos bons e ela é excelente!

A aspirante mai'nova tomou, há uns tempos, uma das decisões mais difíceis de sempre... como já vos disse, ela é atleta de competição. O clube onde ela estava não tinha grupo para ela (houve desistências e não havia elementos suficientes) a solução era ela treinar uma época inteira sozinha, sem competir... uma época duríssima, portanto! Ela, escolheu deixar o clube que a fez crescer, os treinadores que tanto gostava e, principalmente, as amigas!... que orgulho, senhores! Que decisão difícil, esta!... ela começou a treinar noutro clube, onde há grupo para ela, onde irá a competições, mas onde terá de se adaptar a uma nova realidade... novos treinadores, novos colegas, novos métodos... estou tão orgulhosa!!!

Alguma coisa devemos estar a fazer bem! E eu, tenho de pôr os olhos nas minhas aspirantes e partir em busca dos meus sonhos, objectivos, metas... contra tudo e contra todos!

Então e essa alimentação funcional?

- Então Marquesa, como vai esse alimentação funcional, com poucas calorias que é para ver se perdes as banhas, masé,  saudável e cheia de restrições?... Corre bem? Nunca mais disseste nada... comé qui éie?

- O vinho ontem estava bom, obrigada!  Afinal são uvas, ? E eu não fui proibida de ingerir uvas...

Marquesa de Marvila a dar facadas na alimentação saudável desde... desde há muitos anos, catano!

- Fónix!!! Segunda-feira recomeço tudo! Também mais vale prevaricar ao fim-de-semana, com um vinhinho, do que fazê-lo a semana inteira com vinhinho, chocolatinho, muninszinhos, etc... né? Por isso, estou no bom caminho! Não no excelente, mas no bom!