Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Marquesa de Marvila

Aqui não se aprende nada... Lêem-se coisas escritas por mim, parvoíces na maioria das vezes mas sempre, sempre verdades absolutas (pelo menos para mim).

A Marquesa de Marvila

Aqui não se aprende nada... Lêem-se coisas escritas por mim, parvoíces na maioria das vezes mas sempre, sempre verdades absolutas (pelo menos para mim).

A diaba... histórias de uma diva

Momentos loucos todos temos, como lidamos com eles é que é outra história... Há os que lidam com diplomacia, os que fingem que "no passa nada", os que dão uma elegância à cena que nos fazem desejar estar ali a passar por aquilo e há os que fazem de uma cena louca uma cena completamente insana e tresloucada... e eu incluo-me nestes últimos.

Há dias fui com a diaba (aka cadela mai'linda) à rua. Lá ia eu, a aspirante mai'velha e a diaba. Ora dá-se o caso da diaba ser uma amor de cadela da porta para dentro, da porta para fora a diaba transforma-se no demónio... Eu explico, ela não morde (pelo menos até à data), mas ladra que se desalma a tudo o que mexe...ele é cães, gatos, pessoas, tudo serve. Já tentámos de tudo e nada resolve. Ela fá-lo por medo, isso já nós sabemos, mas não vai lá nem com salsichas, nem com festas, nem com nada... vai daí que uma indivíduo (eu!) perde a cabeça, ora tentem:

Lá vou eu, a diaba e a aspirante mai'velha... No elevador já a diaba estava a ficar descontrolada pois sabia que eu tinha biscoitos na mão. Sai do elevador possuída, a ladrar para a rua e a querer correr para a porta. Eu, não sei se estão a visualizar, mas façam-no, por favor, saco da trela, estanco e resolvo (tal como o treinador nos tinha ensinado) esperar que ela se acalme para depois nos dirigirmos para a porta. Então lá estava eu, no meu porte de marquesa, a aspirante pacientemente à espera e a diaba num limbo entre o acalmar-se e o "que m***rda ainda estão aí a fazer?!... Porque porra ainda não estamos na rua" (a minha cadela se falasse diria 3 asneiras por cada 2 palavras, aposto!), e nisto... no meio deste limbo entre: "acalmo-me se não estas gajas não arredam pé" e o "vamos embora, catano!", entram no prédio os vizinhos.... ahahahahahhahahahahahha!!!!! (este riso é meu e é para ser visto comigo a esbugalhar os olhos, a espumar pela boca, esgadelhada, com as veias de fora e atentar manter o nível...) Que momento!!

Ainda por cima vocês não estão bem a ver os meus vizinhos, senhores... Estão a ver toda uma família que já morreu há pra lá de uma eternidade e ainda ninguém os avisou?... estão?!... são eles! Pais e filhos, tios e avós... todos!

Entram e eu... entre um "bom dia!", uma mão a agarrar a diaba que se estatelou no chão a ladrar desalmadamente, e ela debaixo da minha mão e eu a agarrá-la como se a estivesse a matar (não estava, atenção!, que a diaba não se deixa matar assim, estão a brincar...), a aspirante solta um tímido "bom dia!" e eu, a única coisa que consigo dizer é:

- Eu dou cabo de ti!!!

Faz-se um silêncio, excepto da diaba que continua a ladrar indiferente à ameaça de morte acabada de sofrer, sabendo bem que "marquesa que ameaça a seguir está a dar-lhe beijos e abraços"...

Saímos do prédio, a diaba sacode-se ao melhor estilo diva, com ar de quem "já arrumei mais estes!... sou a maior!", e a aspirante diz-me:

- Mãe, aquilo que tu disseste não correu muito bem! Não abonou nada a teu favor...

E eu, descabelada, ainda com a boca torta, efeitos do avc acabado de sofrer no patamar do prédio, a tentar resgatar a minha dignidade de marquesa a toca a ir pela rua fora, com a diaba diva e altiva pela trela... um chichi aqui, um cocó acolá, e está na hora de regressar a casa... lá vamos nós, frescas a fofas, entramos no prédio, chamamos o elevador... esperamos... (agora podem ouvir a música de suspense... pode ser a do tubarão mesmo!... é a que me ocorre) e mal a porta do dito se abre, uma vizinha (outra) lá dentro... a diaba desata a ladrar como se quisesse matar alguém... lá vou eu, marquesa-ninja-de-marvila, agarro na diaba, não me lembro do que disse, mas deve ter sido qualquer coisa com um nível semelhante a um: Eu mato-te!!!.... a vizinha faz uma cara de pânico, diz qualquer coisa que não percebo (ainda bem!), e.... atentem, senhores....

Abre-se a porta do outro elevador e sai de lá o vizinho que encontrámos à saída que, já prevenido pelo ladrar da diaba, trazia o seu cão ao colo... o seu cão (o dele, não o vosso) é dez vezes pior que a diaba... Se a diaba ladra a tudo o que mexe, este ladra ao que mexe e ao que não mexe... Mas o dono, como está morto e ninguém o avisou, não reage...

Já eu, após 3 avc's, 4 enfartes, 2 paralisias faciais e um tique nervoso que me ficou na pálpebra só tinha vontade de estrafegar a diaba...

A diaba chegou a casa, sacudiu-se, sempre com nível e estilo, deitou-se no sofá, olhou para mim com um ar de "tu não tens nível nenhum, caramba!" e dormiu...



Ps. Eu nunca bati na diaba! Ela é a mai'linda do mundo! Faz parte da família! E acredito piamente que ela não faz ideia o que quer dizer: dou cabo de ti!... Pelo menos a ver pelas lambidelas no nariz que levo quando lho digo.

4 comentários

Comentar post