Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Marquesa de Marvila

Aqui não se aprende nada... Lêem-se coisas escritas por mim, parvoíces na maioria das vezes mas sempre, sempre verdades absolutas (pelo menos para mim).

A Marquesa de Marvila

Aqui não se aprende nada... Lêem-se coisas escritas por mim, parvoíces na maioria das vezes mas sempre, sempre verdades absolutas (pelo menos para mim).

A vítima é que paga!

Vivemos num país de m**++da! Com leis de m***++da!... mas isso toda a gente sabe!...

Fónix! Mas toda a gente sabe e ninguém faz nada?!?... Ah, espera! É aquele eterno orgulho do "País de brandos costumes!...". Aquele orgulho do "entre marido e mulher ninguém mete a colher...", e outras pérolas que tais!...

Vivemos num país que condena vítimas! E nem sequer estou a falar das vítimas que não são protegidas pelas autoridades e que, por isso, por culpa de todos nós, acabam mortas! Estou a falar de condenação das vítimas mesmo.

Há uns anos vivi de perto um caso de violência doméstica. Se fui apanhada de surpresa? Não de todo! Aquele merdas (é o que ele é mesmo!) sempre foi isso mesmo, um merdas! Um merdas que para se sentir gente necessita de bater nos outros, um merdas que tem o cérebro na pila e para que ela funcione em condições necessita de usar a força, de subjugar, de humilhar... mas só o faz com quem não se consegue defender porque um merdas é um cobarde!... um merdas é sempre um merdas e nunca há-de ser um cocó! Conheço este merdas (é esse mesmo o nome dele) desde miúdos e desde miúdos que ele sempre foi um merdas!... a minha amiga viu nele algo mais que isso, infelizmente!... com ele namorou uma vida... fónix, que desperdício de vida o dela!... com ele casou... fónix! Ainda me lembro daquele casamento que mais parecia um funeral!... eu era a sua única amiga presente! (o merdas tinha medo de mim, da minha influência sobre ela!... infelizmente não lhe pude valer quando ela mais precisou de mim e isso custa-me!) Os restantes convidados eram amigos dele, de infância, amigos que tiveram a coragem, mesmo no dia do casamento, de dizer à minha amiga: - Não cases! Ele é um merdas! - Eu apoiei-os! Ela estava apaixonada pelo merdas e casou!

Casou e tiveram dois filhos... ela levava tareia porque o merdas era um merdas e isso basta para se bater em alguém! Um dia vieram no jornal! O merdas entrou de pistola em punho a ameaçar toda a gente no trabalho dela, gritando que ela o traía... Bem faria ela se o fizesse... mas não fazia! Melhor faria se o tivesse deixado, ainda antes de casar! Disse-lho tantas vezes... mas mesmo ela não me tendo ouvido fiquei do lado dela sempre! Ela era, e é, uma das minhas melhores amigas!... o caso da pistola ficou por ali mesmo! 

Um dia a minha amiga não aguentou mais e como uma bandida teve de fugir! Chamou a polícia que lhe preparou um plano de fuga: - Amanhã tenha uma trouxa de roupa preparada, sua e dos seus filhos. Vimos buscá-la quando ele estiver a trabalhar! - e assim foi! Ela fugiu! A APAV deu-lhe apoio, colocou-a numa casa de acolhimento. Ela ligou-me! Contou-me tudo mas não me podia dizer onde estava... razões de segurança! Nem os pais, nem ninguém podiam saber onde ela estava! Ela, a vítima, era fugitiva e tratada como uma bandida! Teve de começar tudo de novo na sua vida! Teve um processo gigante e desgastante em tribunal... o tribunal, como se sabe, julga a violência doméstica num processo e o poder parental noutro processo, noutro tribunal... processo esse que obrigava os miúdos a estarem com o pai! Que chegou a obrigar a que a APAV permitisse o pai ir buscar os miúdos à casa de acolhimento onde estava a mãe, fugida, escondida dele! A APAV não aceitou, interferiu!

Este merdas é um bandido! Expulso e escoltado de um pais estrangeiro até Portugal... este merdas não é de classe baixa, não viveu num bairro social... este merdas estudou num colégio privado onde se usava farda!... mas um merdas é sempre um merdas seja em que bairro for, seja em que escola andar, seja quanto dinheiro tenha no banco... um merdas nunca deixa de ser um merdas!

Soube hoje... a minha amiga, a vítima, está-lhe a pagar o carro! Incrível, verdade? O merdas foi condenado por violência doméstica com pena suspensa (Claro! Estamos num país que protege os merdas e um país que protege os merdas só pode ser um país de merda!), tem outros processos em tribunal, e a vítima, aquela que sofreu à mãos de um merdas bandido, tem de lhe pagar o carro... ele não dá um tusto aos filhos, afinal ele é um merdas!, comprou um carro quando estavam casados, deixou de pagar... como declara o ordenado mínimo, coitado!, ela teve de começar a pagar ao banco o dito carro!... ela não tem carro! Não tem possibilidade para isso!... ela deixou de pagar o carro... hipotecaram-lhe o ordenado! Lindo! Eles estão divorciados, mas o carro foi comprado quando eram casados...

Um país de merda que protege merdas e castiga a vítima! É esta a nossa realidade! E a culpa é de todos nós!

23 comentários

Comentar post

Pág. 1/2