Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Marquesa de Marvila

Aqui não se aprende nada... Lêem-se coisas escritas por mim, parvoíces na maioria das vezes mas sempre, sempre verdades absolutas (pelo menos para mim).

A Marquesa de Marvila

Aqui não se aprende nada... Lêem-se coisas escritas por mim, parvoíces na maioria das vezes mas sempre, sempre verdades absolutas (pelo menos para mim).

Almoçamos ou almoçámos?...

Ou sou eu quem tem andado desatenta, ou existe uma moda nova. Vou-lhe chamar moda para não lhe chamar um nome muito feio e ferir as susceptilidades das pessoas... Uma moda ao nível do erro de português... 

Eu, até há pouco tempo, achava que era pronúncia de uma determinada região de Portugal. Se esta moda não me incomodava quando era falado, afinal as pronúncias podem dar origem a erros falados (como em Lisboa dizermos "ovalha" em vez de "ovelha". Mas uma coisa é dizermos outra escrevermos. Eu digo "ovalha" mas escrevo "ovelha"), quando começo a ver escrito por diversos locais, aí sim já me incomoda e já me faz farnicoques nojólhos e nos nervos!

Hoje percebi que não é pronúncia, é moda erro mesmo. Fui à minha dentista. Suponho que ela seja pessoa formada e sendo de Lisboa cai por terra a questão pronúncia.

Ora falo eu de um tempo verbal que é mal utilizado. Passo a exemplificar:

Almoçamos: Presente do Indicativo do Verbo Almoçar

Almoçámos: Pretérito Perfeito do Indicativo do Verbo Almoçar

Ora, traduzindo: Um é presente (refere-se ao dia de hoje) o outro é passado (refere-se ao dia de ontem, anteontem, mês passado... o que entenderem).

Chateia-me muito, como vocês já devem ter reparado, erros de português crassos... chateia-me ainda mais a normalização do erro. "Ah! Toda a gente dá!"; "Olha, deves ter a mania tu!..." Não, não tenho a mania e agradeço do fundo do meu coração que me rectifiquem quando estou errada. Se não me rectificarem não aprenderei.

Não me incomoda que pessoas com pouca formação não saibam escrever, ler ou falar. Mas, chateia-me, fere-me ojólhinhos, aleija-me a alma, e faz-me corar de vergonha alheia quando leio, escrito por jornalistas, bloggers, influencers (e por aí fora), coisas deste género. Não entendo e não aceito que existam pessoas que são lidas por milhares que dêem erros destes. É certo que um acento pode escapar quando estamos a escrever (a falar já não pode escapar), já não é tão certo quando o mesmo erro é repetido no mesmo texto, e em textos diferentes, e com verbos diferentes.

Almoçamos/Almoçámos; Perguntamos/Perguntámos; Começamos/Começámos...

6 comentários

Comentar post