Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Marquesa de Marvila

Aqui não se aprende nada... Lêem-se coisas escritas por mim, parvoíces na maioria das vezes mas sempre, sempre verdades absolutas (pelo menos para mim).

A Marquesa de Marvila

Aqui não se aprende nada... Lêem-se coisas escritas por mim, parvoíces na maioria das vezes mas sempre, sempre verdades absolutas (pelo menos para mim).

O crime de estar desempregado

Tenho andado aqui numa reflexão profunda e há algo que me dá cabo dos nervos.

Enervam-me as certezas absolutas que a sociedade em geral (há excepções naturalmente) tem sobre a vida dos outros e sobre "eles"...

Afinal quem são "eles"?... "Eles" é um grupo de pessoas que nunca os próprios, os que sabem sempre sobre as atitudes dos outros, que se comporta de uma forma ora perversa, ora preguiçosa, ora gatuna, ora pecaminosa, ora "esperta"... Eu explico:

"Eles" não gostam de trabalhar.... "Eles" gostam é de viver do subsídio de desemprego... Há muitos mais exemplos, e até relativos a outras temáticas, mas hoje só me vou debruçar sobre esta do "eles" não querem é trabalhar....

Quem diz tamanha anormalidade ou nunca esteve desempregado ou se já esteve, adorou e deliciou-se com o subsídiozinho, e por isso mesmo acha que todos são como os próprios.

*Vamos só fazer aqui um aparte para nos entendermos: "Eles" = Gatunos, bandidos, preguiçosos, parasitas da sociedade; "Próprios" = os imaculados da sociedade que proferem, maioritariamente, anormalidades e por vezes apenas estupidez*

Estar desempregado é uma das maiores calamidades que pode acontecer a um ser humano. É motivo de um sofrimento profundo, muitas vezes apenas superado pela morte de um ente querido, capaz de levar a depressões seríssimas. É também motivo de vergonha, quem está desempregado pensa (erradamente) que é um incapaz, que é um inútil (anda a dar ouvidos aos "próprios" desta vida) e ainda tem de ouvir, muitas vezes de forma indirecta, um: Estás assim porque queres... O que já fizeste para procurar emprego?... Coitado (o termo  "coitado" já diz tudo) não consegue (lá está, incapaz...) arranjar trabalho...

Os "próprios" desta vida esquecem-se que não são eles quem está a sofrer, nem são eles que estão a pagar o subsídio (quando o há, mas isso não interessa aos "próprios") "deles". Aquele subsídio é fruto dos descontos que "eles" fizeram durante anos, muitas vezes muitos mais anos do que aquilo a que terão direito de subsídio.

Estar desempregado é altamente destabilizador de toda a dinâmica social e familiar, não implica apenas o desempregado. 

Ainda temos uma estrutura de protecção social, vulgo Centro de Emprego e Segurança Social, que trata o desempregado como um criminoso. Incapaz de dar respostas de empregabilidade, chuta os desempregados para formações sem sentido, com formadores muitas vezes pouco qualificados (como sempre, há excepções), com conteúdos muito desactualizados e que em nada contribuem para empregabilidade... Mas "eles" têm de lá estar, afinal cometeram o terrível crime de estarem desempregados, agora aguentem-se...

A estrutura de protecção social que temos não tem um plano de empregabilidade, com psicólogos, sociólogos, coachs, mentores, pessoas que podem ajudar a criar e a pôr em prática a procura de emprego, a criação do próprio emprego. Pessoas que podem apoiar psicológica e emocionalmente o desempregado. Não! É muito mais importante frequentar formações da "treta", desculpem o termo, e ir picar o ponto ao Centro de Emprego fazendo prova da procura do mesmo... É uma afronta a quem está desempregado, fragilizado e a precisar de emprego.

Não, caros "próprios" a maioria das pessoas que está desempregada não quer viver de subsídios, quer trabalhar de forma digna e ganhar o seu sustento, sentir-se útil e que contribui para a sociedade.

Eu já estive desempregada, sei do que falo! Não foi bom. O subsídio era um peso na minha vida, o Centro de Emprego era um demónio que estava ali para me julgar, apontar o dedo e nunca, mas nunca me ajudou em nada!

Ninguém gosta de sentir inútil, ninguém gosta de sentir que não sabe como será o dia de amanhã, se terá o que dar de comer aos filhos ou não...

Caros "próprios", no dia em que ficarem desempregados falamos! Eu até acredito que muitos de vós pensa e diz aquilo que outros pensam e dizem, e vocês acreditam e assumem como uma verdade.... Não é!

6 comentários

Comentar post