Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Marquesa de Marvila

Aqui não se aprende nada... Lêem-se coisas escritas por mim, parvoíces na maioria das vezes mas sempre, sempre verdades absolutas (pelo menos para mim).

A Marquesa de Marvila

Aqui não se aprende nada... Lêem-se coisas escritas por mim, parvoíces na maioria das vezes mas sempre, sempre verdades absolutas (pelo menos para mim).

Pizzaria Zero Zero, a minha experiência... Vale o que vale, bale?

Há uns dias, num sábado, fomos, eu e o senhor Marquês, jantar fora. Andávamos há tempos para "visitar" a Zero Zero, as bloggers da moda, e as sem ser da moda, falavam que se fartavam desta pizzaria. Confesso que não tínhamos ido mais cedo por dois motivos, a primeira Zero Zero, no Príncipe Real, não nos calha em caminho e "ouvi" dizer, podem ser apenas boatos que não fiz um estudo científico sobre o tema, que é pequena e como tal enche que é um mimo... O segundo motivo prende-se com a segunda Zero Zero, na Expo, local que nos fica em caminho mas que se apresentava sempre cheia e com tempos de espera de 9 semanas e meia (até parece o título de um filme, catano!... e não o tempo de espera não era este mas fica mais giro assim).

Vai daí andávamos há tempos para lá ir... Naquele sábado fomos. Chegámos, esperámos 15 minutos e sentámo-nos para começar a manjar... Vou começar agora a review (Uau, que chique! Quem não conhece este estaminé até pensa que eu sou crítica gastronómica... Não sou nada, pá! Sou apenas uma pessoa comum que vai a restaurantes pensados para pessoas comuns. Uau!!! Talvez fizesse sentido as críticas serem feitas por pessoas como eu... que nada percebem de culinária, apenas de palato e que no fim pagam contas e tudo!... enfim, os clientes.)

Ora, a decoração e o espaço são espectaculares. Adorei. Tudo muito giro, os funcionários super simpáticos e tal... Mas um pouco barulhento, fazia lembrar a Portugália da Almirante Reis há 20 anos, nada contra a Portugália, antes pelo contrário, fui muito feliz lá, mas o conceito esperava-se diferente... com um volume mais ameno.

Sentámo-nos e... Não gostei nada, nada, nada deste momento... Pedimos um vinho e duas pizzas e... guess what? (em estrangeiro tem mais... como direi... tem mais nada, é só parvo... adiante)... O vinho chegou e a menina que no-lo serviu quase esbarrou com a que trazia a pizza... Amigos, não levem a eficiência tão a peito... Não há necessidade! Eu ainda não tinha, palavra de honra que isto foi verdade, levado o copo à boca pela primeira vez quando a jovem nos trouxe as pizzas. Dêem tempo às pessoas para, pelo menos darem um golinho no vinho, sim?... Isto faz o quê? Faz com que acabemos a pizza e tenhamos meia garrafa de vinho para aviar. Não faz com que saiamos de lá mais cedo, bale?

Com a primeira garfada de pizza, sim eu como pizza com garfo e faca, odeio comer com as mãos (eu sou Marquesa, sim?... a ver se nos entendemos neste ponto...) veio o primeiro: Sim, senhor! A massa é mesmo boa! Estaladiça... Deliciosa. Esta sensação manteve-se na segunda, terceira, quarta garfada. A partir daí foi sempre a piorar. Para já, quero alertar-vos para o facto de as pizzas serem gigantes, vai daí demoram um bocadinho a serem comidas... À medida que as pizzas foram ficando frias, a massa estaladiça deu lugar a uma pastilha elástica de difícil deglutição. Não foi bom... Para já não me recordo de ter sentido alguma vez desagrado por ter comido uma pizza que arrefeceu, não gosto de comida fria, é certo, mas também é certo que as pizzas, ou bem que somos o Speedy Gonzalez, ou comem-se devagar e ficam quase sempre frias a determinada altura. Estas ficaram frias rápido e elásticas... Como se estivéssemos a comer uma massa crua e extremamente desagradável. Não gostei!

A sobremesa, sim, tínhamos que acabar o vinho e vai daí pedimos sobremesa, era divinal. Enorme, não peçam duas a não ser que tenham muito espaço estomacal para ocupar. Era um mil-folhas de caramelo com gelado... Maravilhoso! Adorei e o Marquês também.

Se vamos lá voltar?... Acho que não! Há muitas pizzarias excelentes em Lisboa onde a massa não se transforma em pastilha elástica e onde o serviço é mais tranquilo (não tão tranquilo ao ponto de adormecermos, ãh?... Nem tanto ao mar nem tanto à terra, amigos!) Apesar de tudo, quero reiterar que todos, mas todos sem excepção, os funcionários foram de uma simpatia inexcedível, o que me leva a crer que o serviço supersónico é uma política da casa. A massa desiludiu-nos muito, já que é o ex-libris do restaurante... Quente é excelente, fria é uma desgraça.

E vocês, qual a vossa pizzaria favorita?

8 comentários

Comentar post