Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Marquesa de Marvila

Aqui não se aprende nada... Lêem-se coisas escritas por mim, parvoíces na maioria das vezes mas sempre, sempre verdades absolutas (pelo menos para mim).

A Marquesa de Marvila

Aqui não se aprende nada... Lêem-se coisas escritas por mim, parvoíces na maioria das vezes mas sempre, sempre verdades absolutas (pelo menos para mim).

Fazer amigos foi o melhor que fiz na vida!

Desde que me lembrava de mim que vivia com a minha avó. Eu e ela, ela e eu. Vivíamos na nossa vila, com todos os que faziam parte dela. Todos os dias ia com ela para o seu trabalho. Os seus turnos faziam com que por vezes saíssemos de casa de noite ou chegássemos de manhã. No Inverno era pior e aí íamos na camioneta da empresa que nos apanhava quase à porta de casa e nos deixava na empresa... mas a minha avó não gostava de ir na camioneta da empresa, eu sim! Adorava! A minha avó não! Ela nunca gostou de dever favores a ninguém, de depender de ninguém, para ela ir na camioneta da empresa era um favor que lhe faziam (não era! A camioneta servia para isso, ir buscar e levar os funcionários). Quando a minha avó trabalhava no turno na noite, ela e as suas colegas faziam-me uma cama debaixo de uma das secretárias com cobertores e mantas e ali ficava eu a dormir... 

Um dia, a minha avó pega-me pela mão numa manhã de Outubro e dirigimo-nos para o palácio da nossa vila... subimos o primeiro lanço de escadas e depois o segundo e tocámos à campainha... a porta abriu-se e perante mim surgiram as escadas mais íngremes que eu já tinha visto... umas escadas estreitas, de parede a parede, altas e íngremes...

- Até logo! - disse-me a minha avó com um beijo. Eu, com a pasta (não havia mochilas. A pasta era uma mala que se levava na mão ou às costas) na mão subi as escadas. Uma senhora esperava-me. Eu conhecia-a. Eu conhecia toda a gente da nossa vila. Ela levou-me para uma sala cheia de meninos. Eu estava na escola. Em 6 anos de vida este era o primeiro em que não ia trabalhar com a minha avó... já não iria mais. Estava na escola.

A minha escola primária era uma das que funcionava no palácio da nossa vila... Começaram os 4 piores anos da minha vida! Nunca fui tão infeliz como naquela escola! Felizmente não precisava de lá passar o dia todo e até ia almoçar a casa. Mas não tinha amigos... ficava praticamente sozinha nas aulas e nos recreios... na minha sala havia um menino com quem me dava, era meu amigo da vila, um dos anos também houve uma menina com quem falava... nos recreios dependia... se os meus amigos da vila tivessem recreio ao mesmo tempo que eu, brincava, se não (e era frequente, os recreios eram à hora que os professores quisessem) ficava sozinha. A professora dava-nos com o apagador de madeira nas mãos se não soubéssemos a tabuada ou quando dávamos erros no ditado... passava o dia desejosa de ir para casa, para poder ir brincar com os meus amigos. Entre a infelicidade de quase não ter amigos e o medo que eu tinha da professora se passavam os dias naquela escola. Chorei muito naquela escola, deve ter sido aí que se me secaram as lágrimas, catano! 

Quando terminei a 4ª classe o meu pai decidiu que eu iria mudar de escola... bendito paizinho!!!! Bezódeus!!! Vá, uma salva de palmas ao meu pai! Paizinho, és o maior, catano! Começaram aos 10 anos os melhores anos da minha vida e com eles se foi o sossego do meu paizinho, coitado!... talvez se tenha arrependido da sua decisão... muitas vezes me ameaçou: Olha que eu ponho-te num colégio interno... nunca pôs! Fui muito feliz na minha segunda escola, onde estive do 5º ao 12º ano, sem nunca chumbar!

Apesar de tudo, não guardo com rancor aqueles dias passados naquela escola... foi também minha responsabilidade não ter feito mais amigos, ter-me agarrado apenas e só aos meus amigos de sempre... com a mudança de escola isso mudou! Eu mudei! E comecei logo no primeiro dia a fazer amigos, amigos para a vida. Amigos que ainda hoje o são. Amigos que são padrinhos das minhas filhas, amigos cujos filhos eu sou madrinha. Amigos que são família e que o tempo não afastou. Alguns dos meus melhores amigos são-no desde que tínhamos 10 anos de idade, e isso é tão bom!!! São mais do que amigos. 

Fazer amigos foi do melhor que fiz na minha vida e só dependeu de mim!