Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Marquesa de Marvila

Aqui não se aprende nada... Lêem-se coisas escritas por mim, parvoíces na maioria das vezes mas sempre, sempre verdades absolutas (pelo menos para mim).

A Marquesa de Marvila

Aqui não se aprende nada... Lêem-se coisas escritas por mim, parvoíces na maioria das vezes mas sempre, sempre verdades absolutas (pelo menos para mim).

Há-de passar, catano!

Aquilo que parecia ter sido um episódio isolado da nossa Diaba, afinal não foi! Pela 1 da manhã ela teve novo "ataque", foi mais curto, mais ligeiro do que o primeiro mas mesmo assim assustador para nós, principalmente para ela. Ela fica muito assustada, com os olhos muito abertos e a tremer como uma gelatina... 'tadinha da minha pequenina (sim a Diaba não é um cão grande)... hoje, ainda por cima, não podemos ir com ela ao veterinário, o carro está na oficina.

Claro que à 1 da manhã lembrei-me de tudo menos de filmar o ataque da bichinha, eu já estava a dormir quando começou, acordei estremunhada (ela dorme comigo) com ela a tremer e começou tudo... peguei-a ao colo e trouxe-a para a sala, o Marquês estava ainda na sala a ver televisão... ao fim de 5 minutos passou, levei-a para a cama e dormiu até de manhã... eu é que nem por isso! Passei a noite entre o dormir um pouco e o estar alerta a ver se ela estava bem.

Agora está bem! Desde a 1 da manhã que está tranquila, normal, na sua vidinha de cão... comer e dormir, basicamente. Ir de um sofá para o outro, levantar para beber um pouco de água, pedinchar o nosso almoço... normal!... vamos ver como evolui.

Já eu não estou bem... desde há uns dias (1 mês, prái...) que comecei com uma dor na perna, em baixo e na anca. As dores estão a aumentar e não me deixam dormir, quando não durmo bem as dores gerais e a rigidez matinal voltam em força, o cansaço físico, emocional e mental também... ontem, ao sair do banho, reparei que para além das dores a minha perna tem uma pequena mancha vermelha e algumas nódoas negras (o que em mim é normal devido à Síndrome de Sjogren, a mancha é que já pode não ser normal apesar de poder acontecer...). A mancha está lá, um aglomerado de pontos vermelhos que fazem uma pequena mancha com relevo, uma comichão imensa nessa zona... só espero que não seja nada, caraças! Amanhã, se já tiver o carro pronto, vou finalmente fazer as análises, não dá para adiar mais. Hoje vou marcar consulta nos médicos, medicina interna e reumatologista... vai ter mesmo de ser!

Isto hoje não está fácil, como podem ver pelo texto! Estou um pouco desanimada e em baixo... há-de passar, catano! Afinal, tudo passa!

Cadela com um ataque de nervos...

Como se quer, hoje o dia aqui pelo palácio começou numa algazarra... parecia a feira, tudo aos gritos... aqui a malta é aparentada com os primos italianos e gosta de gritar para se fazer ouvir...

A aspirante mai'nova mal acordou começou a implicar, a arranjar problemas, a refilar, a chorar, a elevar o tom... sua santa mãezinha a tentar manter a calma (lembram-se do livro zen que a minha mãe me emprestou em Julho?!... ainda não o acabei de ler... não sei onde o enfiei...), respira, conta até 4250, inspira... a mai'nova a elevar o tom, e nhé-nhé-nhé e mi-mi-mi... e pronto... uma vez, duas vezes, três vezes, e o clima a aquecer cá pelo palácio, e as faces a corarem, a mai'velha calada que nem um rato (por enquanto), o Marquês?!... nem sei onde andava, mas vinha da rua (teria ido levar a Diaba a aliviar as suas necessidades fisiológicas?... teria ido ao pão?!?...) e mai'nova mi-mi-mi e nhé-nhé-nhé... 

- Eh pá chega! Cala-te! - Claro que isto aos gritos! Eu, Marquesa de Marvila, aos gritos vejam só... (olhem eu a fingir admiração... como se não fosse comum...)

A Diaba enfiou-se na cama a tremer. Coitada, acha que sempre que alguém se exalta é com ela...

Na cozinha eu, entre fazer almoços e preparar o batido para o pequeno-almoço, numa azáfama logo de manhã, aparece a aspirante mai'velha (que também já tinha levado 2 berros sendo que a mai'nova já tinha levado uns 10...): - Mãe, o que se passa com a Diaba?... ela não está bem (já de lágrimas)... mãaeee.....
A mai'nova que estava a fazer uma torrada desata a fugir e a chorar: - Mãaaaeeeee, oh mãaaaaeeeee.... a Diaba?!?... o que é que ela tem?

Quando eu olho a Diaba, a minha bichinha mais fofa, mais linda, mais tudoitudo, tadinha, contorcia-se com espasmos, sem conseguir controlar as patas, sem conseguir pôr-se em pé... peguei-a ao colo, levei-a para a sala, pedi ao Marquês que tomasse conta dela e fui vestir qualquer coisa rápida... sem terminar de fazer o almoço e apenas enfiando algo pela goela abaixo (não consigo sair em jejum de casa... daí a dificuldade em fazer análises...) e voámos saímos em direcção ao veterinário. Primeiro ainda largámos as aspirantes nas respectivas escolas.

Lá fomos, exames, análises, a Diaba linda, fofa e fresca como se nada se passasse, afinal ela é uma diva, habita num palácio e vive com os Marqueses, é se sangue azul, portanto!...

Não se sabe bem o que possa ter sido, acredita-se num ataque epiléptico que pode ter sido isolado por causa dos nervos ou pode ser o início dum processo de epilepsia... eu não vos digo que cá em casa a malta é toda chanfrada?... até a cadela, catano! Agora uma crise de nervos?!?... (estamos mais inclinados para isso já que ela nunca teve nada idêntico... esperamos nós com todas as nossas forças)... agora estará em observação aqui em casa, a ver se não se repete, se se repetir temos de... pensem lá um pouco... só mais um pouco... vá lá... vocês conseguem... eu não consegui! Vamos lá ver se me vou lembrar de o fazer... temos de filmar! A Diaba a ter um ataque e nós a filmarmos... oh catano!

E pronto lá largámos para lá de uma pipa de massa no veterinário, começámos o dia desta forma animada, o lado bom... já fizemos todos as pazes, a Diaba dorme sossegada no seu sofá e...

Bom dia malta fixe!!!!

Dia Mundial do Animal

Pára tudo!!! Pára tudo já e imediatamente!!!!!

Atão majatão... como é que ontem foi o dia mundial do animal e eu me esqueci de escrever um post sobre o tema?!.. Por isso é que a minha Diaba andava amuada... pois, e com toda a razão!!!

Eu sinto-me cansada! Cansada e desiludida com a (des)humanidade! Com os moralistas de vão de escada que se esquecem que ao apontarem o dedo a alguém estão a ser mesquinhos, pequeninos e más pessoas. Esquecem-se que solidariedade não é dar a esmola ao pobre; que ser moralmente irrepreensível não é ir à missa ao Domingo e bradar aos céus que se é católico (ser um católico praticante não é ir à missa. Conheço muitos praticantes do catolicismo que até são ateus), ser católico é praticar o bem, é não usar os ensinamentos da bíblia conforme lhe convém...

E o que é que isto tem a ver com os animais? Tem a ver com o facto de, infelizmente, ainda ser preciso um dia marcado no calendário para nos lembrar dos que sofrem, dos que são maltratados, dos que têm poucos ou nenhuns direitos, de que nós, humanos (?!?!), temos o dever de olharmos uns pelos outros, de nos defendermos, inclusive os animais. Mas não, o ser humano aponta o dedo em todas as direcções, o seu dedo da moral, da mesma forma que fere a ferros um touro, que pontapeia um cão, que se serve de coelhos e macacos para testar produtos que podem ser testados de outras formas, que atira numa raposa, que esfola um cabrito, que retira a sangue frio uma barbatana e deixa a esvair-se em sangue um tubarão, que mantém animais em zoológicos, que retira crias à suas mães sem dó nem piedade...

O ser humano pode ser excepcional mas também pode ser uma grande besta! E prova disso é ainda existirem dias que são necessários para nos lembrarmos de quem sofre, de quem não tem direitos: Dia do animal; dia do trabalhador; dia da mulher... e por aí fora. É triste, muito triste!

Gostava muito que o dia do animal fosse um dia comemorativo, um dia em que nos limitamos a comprar um brinquedo novo ao nosso gato ou uns biscoitos ao nosso cão, mas não é! É um dia em que é preciso lembrar os que sofrem.

A minha Diaba (este não é mesmo o nome dela, nada temam... ), podia ser um dos que sofrem, poderia já nem estar aqui. A minha Diaba teve sorte! Muita sorte! Como tantos outros andava perdida, desorientada, a tentar entrar em todos os carros que estavam estacionados, a chorar quando via alguém e pedia: Por favor ajudem-me!... A minha Diaba foi deixada para trás por alguém que, sem dó nem piedade, a largou no meio do Monsanto... ali, para morrer! Pessoas que, não tenho qualquer dúvida, apontam o dedo a tudo e a todos; Pessoas que, certamente, se acham moralmente superiores... pessoas que não valem nada! Quem maltrata um animal, quem se diverte com o sofrimento alheio vale muito pouco! Lamento se firo susceptibilidades mas não concebo a sofrimento infligido gratuitamente seja porque motivo for!

Posto isto, é absolutamente necessário que continue a existir o Dia Mundial do Animal mas não é para levarmos os nossos cães ao parque para um passeio especial ou para comprarmos presentes para o gato (também pode ser, atenção! Mas a intenção não pode ser essa), é para lutarmos para que acabe de vez o sofrimento de todos os animais!

Eu exijo reencarnar numa Preguiça....

Fui passar um fim-de-semana assim a atirar para o maiorzito a casa de uns familiares... Piscina e tal, arrastar-me da cama para a piscina e desta para a cama para ver Narcos (estou fã!!) na Netflix... E dormir!!! Ahhhhhhhh!!!!!!!!!! Tão bom!!!! Tão bom que teria sido ter conseguido dormir....

Nesta casa maravilhosa, bem edificada ao sol e com uma piscina maravilhosa, vive uma tia! Uma tia já com bastante experiência de vida, que é como quem diz uma idade respeitosa! "Ahhhh... que chato, Marquesa! E ela ressona é isso?...", pois isso não sei que não dormi com ela, mas a minha querida tia (pessoa que eu adoro e também ela nascida e criada para os lados de Marvila), deita-se pelas 19 horas... 19 horas, senhores!!! Vai daí que pelas 3.30h da manhã está pronta a começar o dia! E começa a funcionar como se fossem 10 da manhã... Ela fala com os cães, ela abre a porta aos cães para entrarem e saírem, ela abre portas e armários, enfim... um festival! E ainda tínhamos a diaba... Ora, a diaba é cadela que dorme connosco no quarto, mas é cadela dada a ter de tomar conta de todas as ocorrências, o que implica que ao mínimo barulho que ela não conhece (e estando ela em casa alheia todos os barulhos lhe são estranhos) rosna... a tia acordava, ela rosnava, a tia ia à casa de banho, ela rosnava, a tia abria uma porta, ela rosnava.... Um mimo!!

Eu, que sou pessoa com bastantes necessidades ao nível do sono, mas que acorda com o barulho de uma pena a cair no chão, passei longas e tortuosas horas acordada. Desejosa pelo meu regresso à minha caminha. Pois que esta noite regressei aos meus lençóis, à minha almofada, e tudo e tudo... "Ahhhhhh!!!! Vou dormir! Que maravilha! Amanhã não tenho hora para acordar...."

1 da manhã (sim, talvez eu não estivesse assim tão ansiosa pelos meus lençóis senão tinha-me deitado mais cedo, é certo!), Marquesa deita-se e começa o reboliço (não é esse que estão a pensar...): Vira para um lado, vira para o outro... adormece!... Diaba considera que o melhor sítio para dormir é em cima das pernas de sua marquesa... Marquesa acorda com uma sensação mista entre ter dores lancinantes nas pernas e o "caraças que já não tenho pernas"... Marquesa chuta a diaba (com carinho que é para ela não se aleijar!)... 1 hora depois, mais ou menos, Marquesa acorda com a anca direita completamente dormente... desta vez não é a diaba! Não sabe o que é mas dói comó raio!... e foi isto a minha noite, dorme-acorda-dorme-acorda...

8 da manhã: Senhores da Junta de Freguesia consideraram que era uma excelente hora para ligarem uma máquina infernal de cortar relva mesmo por debaixo da  janela de Sua Marquesa.... rrrrrrrrrrrr-rrrrrrrrrr-rrrrrrrrr-rrrrrrrrr, ainda não se calaram com aquela porra e são quase 2 da tarde, camandro!... Depois admiram-se que um indivíduo pegue numa arma e desate a atirar indiscriminadamente contra funcionários da junta...

9 e qualquer coisa da manhã: Vizinhos (ahhh!!! Essa raça do catano!) resolvem martelar. Marquesa passa a ouvir rrrrrrrrr-pumpumpum-rrrrrrrrrrr-pumpumpum-rrrrrrrrrrrr.... E considera cometer uma assassinato colectivo! Talvez na prisão se durma melhor.

11 da manhã (eu disse-vos que tinha tirado o dia para dormir): Obras no prédio!... Berbequim... rrrrrrrrrrrrr-pumpumpum-nheeeeeeeeeeeeeeeee-rrrrrrrrrrr-pum-nheeeee-rrrrrrrr...... Marquesa considera que afinal a bomba atómica foi uma excelente invenção... onde é que se compra uma, porra?!... com tanta inutilidade à venda e nada de uma bombinha...

Levanto-me! Estou desde essa altura freneticamente a traçar um plano para exterminar senhores da junta, vizinhos e pessoas das obras... Podem observar-me descabelada, ensandecida... o meu estado mental deve abonar em meu favor quando estiver a delinear a minha defesa depois de descobrir em que loja se vende a porra da bomba....

Por este andar acho que só vou dormir na próxima reencarnação... a propósito, para que fique registado, eu exijo reencarnar numa Preguiça, preciso de recuperar.

A diaba... histórias de uma diva

Momentos loucos todos temos, como lidamos com eles é que é outra história... Há os que lidam com diplomacia, os que fingem que "no passa nada", os que dão uma elegância à cena que nos fazem desejar estar ali a passar por aquilo e há os que fazem de uma cena louca uma cena completamente insana e tresloucada... e eu incluo-me nestes últimos.

Há dias fui com a diaba (aka cadela mai'linda) à rua. Lá ia eu, a aspirante mai'velha e a diaba. Ora dá-se o caso da diaba ser uma amor de cadela da porta para dentro, da porta para fora a diaba transforma-se no demónio... Eu explico, ela não morde (pelo menos até à data), mas ladra que se desalma a tudo o que mexe...ele é cães, gatos, pessoas, tudo serve. Já tentámos de tudo e nada resolve. Ela fá-lo por medo, isso já nós sabemos, mas não vai lá nem com salsichas, nem com festas, nem com nada... vai daí que uma indivíduo (eu!) perde a cabeça, ora tentem:

Lá vou eu, a diaba e a aspirante mai'velha... No elevador já a diaba estava a ficar descontrolada pois sabia que eu tinha biscoitos na mão. Sai do elevador possuída, a ladrar para a rua e a querer correr para a porta. Eu, não sei se estão a visualizar, mas façam-no, por favor, saco da trela, estanco e resolvo (tal como o treinador nos tinha ensinado) esperar que ela se acalme para depois nos dirigirmos para a porta. Então lá estava eu, no meu porte de marquesa, a aspirante pacientemente à espera e a diaba num limbo entre o acalmar-se e o "que m***rda ainda estão aí a fazer?!... Porque porra ainda não estamos na rua" (a minha cadela se falasse diria 3 asneiras por cada 2 palavras, aposto!), e nisto... no meio deste limbo entre: "acalmo-me se não estas gajas não arredam pé" e o "vamos embora, catano!", entram no prédio os vizinhos.... ahahahahahhahahahahahha!!!!! (este riso é meu e é para ser visto comigo a esbugalhar os olhos, a espumar pela boca, esgadelhada, com as veias de fora e atentar manter o nível...) Que momento!!

Ainda por cima vocês não estão bem a ver os meus vizinhos, senhores... Estão a ver toda uma família que já morreu há pra lá de uma eternidade e ainda ninguém os avisou?... estão?!... são eles! Pais e filhos, tios e avós... todos!

Entram e eu... entre um "bom dia!", uma mão a agarrar a diaba que se estatelou no chão a ladrar desalmadamente, e ela debaixo da minha mão e eu a agarrá-la como se a estivesse a matar (não estava, atenção!, que a diaba não se deixa matar assim, estão a brincar...), a aspirante solta um tímido "bom dia!" e eu, a única coisa que consigo dizer é:

- Eu dou cabo de ti!!!

Faz-se um silêncio, excepto da diaba que continua a ladrar indiferente à ameaça de morte acabada de sofrer, sabendo bem que "marquesa que ameaça a seguir está a dar-lhe beijos e abraços"...

Saímos do prédio, a diaba sacode-se ao melhor estilo diva, com ar de quem "já arrumei mais estes!... sou a maior!", e a aspirante diz-me:

- Mãe, aquilo que tu disseste não correu muito bem! Não abonou nada a teu favor...

E eu, descabelada, ainda com a boca torta, efeitos do avc acabado de sofrer no patamar do prédio, a tentar resgatar a minha dignidade de marquesa a toca a ir pela rua fora, com a diaba diva e altiva pela trela... um chichi aqui, um cocó acolá, e está na hora de regressar a casa... lá vamos nós, frescas a fofas, entramos no prédio, chamamos o elevador... esperamos... (agora podem ouvir a música de suspense... pode ser a do tubarão mesmo!... é a que me ocorre) e mal a porta do dito se abre, uma vizinha (outra) lá dentro... a diaba desata a ladrar como se quisesse matar alguém... lá vou eu, marquesa-ninja-de-marvila, agarro na diaba, não me lembro do que disse, mas deve ter sido qualquer coisa com um nível semelhante a um: Eu mato-te!!!.... a vizinha faz uma cara de pânico, diz qualquer coisa que não percebo (ainda bem!), e.... atentem, senhores....

Abre-se a porta do outro elevador e sai de lá o vizinho que encontrámos à saída que, já prevenido pelo ladrar da diaba, trazia o seu cão ao colo... o seu cão (o dele, não o vosso) é dez vezes pior que a diaba... Se a diaba ladra a tudo o que mexe, este ladra ao que mexe e ao que não mexe... Mas o dono, como está morto e ninguém o avisou, não reage...

Já eu, após 3 avc's, 4 enfartes, 2 paralisias faciais e um tique nervoso que me ficou na pálpebra só tinha vontade de estrafegar a diaba...

A diaba chegou a casa, sacudiu-se, sempre com nível e estilo, deitou-se no sofá, olhou para mim com um ar de "tu não tens nível nenhum, caramba!" e dormiu...



Ps. Eu nunca bati na diaba! Ela é a mai'linda do mundo! Faz parte da família! E acredito piamente que ela não faz ideia o que quer dizer: dou cabo de ti!... Pelo menos a ver pelas lambidelas no nariz que levo quando lho digo.

A minha cadela do demónio e os doidos que nos vêm parar cá a casa

A minha cadela do demónio é completamente chanfrada das ideias... mas nós somos experientes nesta matéria, oh lá se somos... Só nos calham cães doidos, o que é que havemos de fazer?!... O nosso primeiro cão era tão nervosinho, mas tão nervosinho que se tornou cardíaco e morreu de enfarte. Mas era amoroso. Nós, humanos em geral, temos uma tendência enorme para quando os seres morrem só nos lembrarmos das coisas boas... O nosso primeiro cão também era chanfrado, para além de nervosinho... Tinha problemas em ficar sozinho em casa, vai daí ladrava descontroladamente... Se de dia a coisa até era mais ou menos pacífica, os vizinhos também não estavam e casa e ele não passava o dia todo a ladrar, era mais quando saímos e de vez em quando lembrava-se... À noite era chato e tivemos de montar toda uma logística sempre que nos queríamos ausentar...

Ora atentem...

Da primeira vez que resolvemos sair à noite, após uma noite em que quase fomos expulsos do prédio e quase que chegou uma abaixo assinado à Assembleia da República a pedir o nosso exílio que se resolveu com o nosso charme natural e diplomacia (e uma carta escrita à mão, individualizada para cada um dos condóminos a pedir desculpa... ainda hoje me dói a mão...), em que o cão uivava tanto que se ouvia na rua toda ... Bem adiante, após este episódio insólito, numa saída à noite, aniversário de senhor Marquês, aconselhados pelo veterinário demos-lhe um drunfo para dormir (nada temam, amigos dos animais, o drunfo era próprio para cão, comprado e receitado pelo veterinário). Demos-lhe o drunfo e só saímos quando o cão largou a dormir deitado no chão... Mal chegámos à rua ouvimos uivar. Será ele? Não, não pode ser!... E cão está drunfado, está a dormir. - Ficámos alerta a ouvir, outro uivo, e outro e outro... Voltámos a casa. Cenário:

O cão de olhos fechados/semi abertos, completamente grogue, a cambalear, mal se levantava e uivava... Raisparta o cão, caramba!... Um telefonema depois e levámo-lo para casa do meu pai, onde dormiu toda a santa noite e sonhou com unicórnios, bolas de carne, maçãs (o meu cão adorava maçãs, mais do que carne), biscoitos, prados verdejantes e tudo a que um drunfado tem direito. Mais tarde apanhámo-lo no Bairro Alto a tentar comprar drunfos e outras cenas...  (este é o nosso cão a achar que era um sapo)

Páginas tantas, resolvemos arranjar-lhe companhia, que após este episódio sempre que queríamos sair à noite ou ele ia para casa de alguém ou alguém tinha de vir cá para casa tomar conta dele, um filme. Adoptámos uma cadela. Uma cadela que estava quase morta, coitada! Foi-lhe sentenciada por 2 ou 3 veterinários a morte antecipada. Estava de tal maneira desnutrida e com carências vitamínicas e de outras ordens que tinha 6 meses e pesava 6 quilos. Nada de especial se ela em adulta não se tivesse tornado num belo espécime de 25 quilos. E a cadela acalmou o cão. Pelo menos já podíamos sair descansados sem ter de arranjar dog sitting para o bicho, nem drunfos (esta parte ele não gostou, mas é a vidinha...). Ele tentava emitir um latido, um esboço de uivo, um som e ela dava-lhe uma patada no focinho. Juro! E não fomos nós que a ensinámos, foi um qualquer santo lá em cima que a enviou para pôr ordem nisto.

Ah, então sempre tiveram um cão normal... Não, pessoas, não tivemos! Este belo exemplar canino do sexo feminino, que infelizmente também já faleceu, comia lixo, fazia cocó e comia-o, vomitava e comia... Um nojo! Um nojo difícil de lidar. Quer-me parecer que vocês não mais olharão para este blogue da mesma forma. Gastámos uma pequena fortuna com ela, entre veterinários e medicamentos... Era o único cão que conheço que não gostava de ir à rua... Era ver-nos a arrastar 25 quilos de cão para ela ir à porta do prédio fazer chichi e cocó, e voltar a correr para casa. Para além de ter destruído tudo o que apanhou pela frente, a saber: Rodapés, Cabos de computador, móveis, tapetes, dois pares de sapatos novos do Marquês... Dois pares, pessoas! Esta alma consegui ir buscar um sapato de cada par inutilizando dois pares. Um mimo!

Mas era a melhor cadela do mundo! Tudo ultrapassado e ela tornou-se no melhor cão adulto do Universo. A mais meiga, a mais fiel, a mais ternurenta, a que tomava conta da família toda, a mais medricas mas que defendia as aspirantes com a sua própria vida, transformando-se num ser demoníaco capaz de trucidar quem lhes tocasse (desde que não fosse eu ou o Marquês) e no momento seguinte, desde que a pessoa estivesse longe das suas meninas, era a sua melhor amiga.

E agora temos a demónia!... A demónia é... como direi... Um cão com algumas particularidades. Ela foi encontrada na rua, abandonada, a tentar entrar nos carros das pessoas. E no meio de tanta gente que passava quem é que ficou com a bicha do demónio, quem foi?... Claro! Nós! 

Esta... como direi... invenção do demónio, este ser paranormal, quando chegou cá a casa conseguiu pôr-nos à beira do colapso. Verdade! Eu e o Marquês quase nos divorciámos, as aspirantes quase fizeram as malas e se propuseram para adopção... Vocês sabem lá o que isto foi práqui, senhores... Só pelo que nós aturámos deveríamos ser condecorados pelo Presidente da República por bravura e coragem... Os jogadores da nossa selecção não fizeram um terço e foram condecorados... Os ex-combatentes condecorados... sabem lá eles o que é bravura e coragem... 

Era uma vez uma família que adoptou uma cadela... No dia seguinte à adopção, estavam a fazer a sua refeição sentados à mesa, como qualquer família, e o demónio salta para a dita e começa a comer dos seus pratos. Assim, à descarada! Eu, Marquês e aspirantes a almoçar e uma cadela em cima da nossa mesa a comer dos nossos pratos...  (esta é a nossa cadela). A diaba passeava-se no balcão da cozinha a roubar comida enquanto eu cozinhava... A bicha do demo mordia a tudo o que mexia (excepto à cadela mais velha, que ainda era viva). A aspirante 'mai nova fazia um pino e levava uma trinca furiosa. A aspirante 'mai velha sentava-se ao meu lado no sofá e levava uma trinca. Mas a preferida dela para trincar era a aspirante 'mai nova, coitada da miúda! Ela fugia da diaba. Felizmente a diaba mordia com pouca força e nunca magoou ninguém. (não, não era uma cadela bebé que mordia a brincar. Ela mordia mesmo, só nunca magoou ninguém, felizmente). As aspirantes deixavam inadvertidamente a porta do quarto aberta e lá vinha a diaba a correr esfrangalhar os bonecos, rasgar coisas... Um desassossego. Estragou os cd's e dvd's de colecção do Marquês, livros meus, partiu objectos pois passeava-se em cima dos móveis... Nem queiram saber o que isto foi.

Um dia, desesperados e quase a sairmos de casa e deixarmos a casa de herança para a bicha, resolvemos contratar quem sabe do tema: Um treinador! Abençoado! Que Deus Nosso Senhor, os Anjos, Santos, Iemanjá, Buda, Maomé, Shiva e todos os que agora não me lembro, o guardem com muita saúdinha, Benzódeus! O nosso Salvador chegou! Tentou de tudo, ensinou-nos tudo, levou-a para o Colégio Interno (sim que a cadela é diaba mas tem sangue real e frequentou os melhores colégios), que é como quem diz a quinta dele... E, o diagnóstico é que ela é uma cadela espectacular só que estava cheia de medos, coitada! Tratados quase todos os medos (ainda ladra a desconhecidos e odeia de morte o nosso vizinho do lado... ela lá sabe!... Era capaz de o matar e não faz isso com mais ninguém) e a cadela é quase uma santa . Tenho para mim que ela foi exorcizada e o treinador tirou-lhe o diabo do corpo. A aspirante 'mai nova pode-lhe fazer o que bem entender que ela nem o dente se lhe arreganha, quanto mais morder; já espera pacientemente que caiam migalhas da mesa, nunca mais saltou para cima da mesma, nem dos móveis (o sofá não pode ser considerado um móvel, pois não?), nem de nada, já não rouba bonecos (excepção feita ao preferido da aspirante 'mai nova, mas não o estraga e entrega logo que lho pedimos)... Quase uma santa, se não esfrangalhasse guardanapos de papel e lenços de papel (tem uma fixação qualquer) e se ladrasse mais baixinho...

Já vos disse que o treinador dela é o maior?... E ele adora-a! Sempre que precisamos ele fica com ela, diz que para ela não é preciso fazer reserva, tem sempre espaço.

E nós, bem, nós também a adoramos ou já a tínhamos dado para adopção.

Oh pra ela tão linda...

20671678_kFBuk.jpeg

 

Tudo o que é maluco vem parar cá ao palácio...

Já dizia o "outro" (esse grande filósofo) que maluco atrai maluco... Não sei quem começou esta epopeia de insanidade aqui pelo palácio, se fui eu ou o marquês, o que é certo é que se espalhou que nem uma praga incontrolável...

Pois que agora a Exma. Sra. Dona Cadela está com uma gravidez psicológica, ó caraças!...

É vê-la a andar sempre com duas bolas de um lado para o outro, diz que são os filhos, a fazer ninhos por tudo quanto é canto, sempre encolhida, sem apetite e com "olhos de carneiro mal morto"...  Se nos aproximamos muito e rapidamente, com movimentos bruscos, dos seus "filhos", rosna.

O que me havia de calhar, senhores... Anda-me a cadela pela casa fora, para onde vai leva uma bola, pousa-a e sai a correr para ir buscar a outra... Se calha a fecharmos uma porta e a bola fica do lado de lá, chora a desgraçada... E ainda é vê-la a tentar pegar nas duas bolas ao mesmo tempo. Ela Lambe-as, ela olha para elas (deve ser para ver se são parecidas com ela ou com o pai imaginário...), ela tapa-as com a manta.

Num dos seus momentos de mãe-psicológica-arquitecta-decoradoradeinteriores, deu cabo de um sofá... "Esfrangalhou" as almofadas do dito e fez um belo ninho de espuma...

O lado bom disto é que os "filhos" não roem, não fazem xi-xi, nem cocó e não comem... Uns santos! 

Eu vou só ali tomar as gotas que está na hora...Aproveito e talvez dê umas à cadela...

Nós amamos a cadela! Literalmente!

Todos os dia te afago!


Todos dias te dou comida, te faço festas, te irrito, te ralho, te digo que te amo e que és a "mai linda" do mundo!
Todos os dias me olhas, me foges, me trazes o teu brinquedo, me pedes comida, me suplicas por uma migalha (mesmo tendo acabado de comer) como se não comesses há 3 dias, me lambes, me fintas, me fazes perder a paciência (ou quase), me derretes o coração quando te deitas tão junto a mim que quase posso jurar (sem garantias, lá está) que estás ao meu colo!

 

Todos os dias penso no bem que fizemos, naquele 29 de Novembro de 2015, em trazer-te para casa quando estavas desesperada a pedir a todos os que passavam na rua que te olhassem e te levassem... Bem, todos os dias penso nisto mas intervalado com momentos curtos, curtíssimos, de 2 segundos, de arrependimento. Aqueles momentos, cada vez mais raros graças ao teu treinador, nosso anjo, que nos ajudou a ajudar-te, em que te passas e corres pela casa como louca, que resolves ler um livro ou ouvir um cd (sim, porque é isso que queres fazer quando os destróis completamente!... Ai! O teu mais que amigo e tutor cá de casa teve tanta vez vontade de te rifar - ninguém compraria as rifas, eu sei - quando chegava a casa e se deparava com os seus cd's e dvd's de colecção irrecuperavelmente estragados).

 

És a maior! Tudo somado e subtraído é sempre mais o que nos dás do que o que nos tiras. E afinal de contas já não há mais cd's, nem dvd's de colecção, e os livros não te estão acessíveis, para estragares.

 

Amamos-te! Sim, a ti que és um cão! Ou cadela, neste caso!

 

Feliz dia do animal para ti e para todos os animais do mundo, em especial os que sofrem e os que fazem sofrer (sim, eu sei que só os humanos fazem sofrer os outros, é desses animais que estou a falar!).

Blog_Ana.jpg